Conteúdo publicado há 1 mês

MPF inspeciona penitenciária de Mossoró após fuga de detentos

Quatro procuradores do MPF (Ministério Público Federal) inspecionaram a Penitenciária Federal de Mossoró (RN), nesta terça-feira (27), após a fuga de dois detentos no último dia 14.

O que aconteceu

A visita já estava agendada antes da fuga, segundo o MPF. O órgão diz que o episódio não alterou o planejamento da inspeção, mas "aumentou a preocupação do MPF com a segurança na unidade prisional".

A inspeção durou três horas. Os procuradores conversaram com o diretor do presídio e com os dois policiais responsáveis pelo inquérito que investiga a fuga.

O MPF afirma que os procuradores seguiram o roteiro de inspeção estabelecido pelo CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). Eles conheceram as instalações, conversaram com agentes, avaliaram a situação dos equipamentos de segurança, salas de vídeo, local de estudo, banho de sol, alimentação, enfermaria e assistência à saúde, entre outros.

Relatório sobre a inspeção será produzido. Documento detalhado sobre as condições do presídio será encaminhado à Câmara de Controle Externo da Atividade Policial e Sistema Prisional do MPF e ao CNMP.

Dono de sítio

A Polícia Federal prendeu na segunda-feira (26) uma nova pessoa acusada de ajudar na fuga de Rogério Mendonça e Deibson Nascimento. Ronaildo da Silva Fernandes, dono de um sítio nos arredores da cidade do interior do Rio Grande do Norte, teria recebido R$ 5 mil dos criminosos para auxiliá-los na fuga.

Ronaildo teria procurado a polícia para afirmar que havia sido coagido a ajudar os foragidos. Porém, a polícia identificou que, na verdade, ele tinha recebido dinheiro para ser cúmplice da dupla. Não há informação se o dono do sítio tem ligação com facções criminosas.

No último dia 14, dois prisioneiros fugiram da Penitenciária Federal de Mossoró. Na ocasião, os detentos usaram uma barra de ferro para ampliar o buraco de uma luminária, por onde escalaram para acessar o teto do presídio e fugir. Apesar de 600 homens envolvidos nas buscas, até o momento os criminosos não foram encontrados.

Continua após a publicidade

*com informações do Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário

Só para assinantes