Conteúdo publicado há 19 dias

Policiais 'influencers' são presos na BA após aparecerem em post político

Os policiais militares Lázaro Alexandre "Tchaca Tchaca" e Ivan Leite foram presos pela PM da Bahia após terem a imagem vinculada a um post político.

O que aconteceu

Policiais militares ficarão presos por 15 dias. Em nota, a PM-BA afirmou que uma apuração de conduta disciplinar constatou que os policiais "violaram preceitos éticos e disciplinares contidos no Estatuto da Polícia Militar da Bahia". A corporação não explicou quais são os preceitos.

PMs "influenciadores" acumulam milhares de seguidores. Lázaro Alexandre possui 155 mil seguidores, enquanto Ivan Leite tem 36,5 mil.

Postagem era favorável a Jair Bolsonaro e João Roma, candidato a governador da Bahia em 2022. Criada pelo perfil @BolsoRoma, postagem pedia votos aos dois candidatos, e usava as fotos dos policiais influenciadores com esse fim.

Um dos presos é réu por chacina e pré-candidato a vereador. Lázaro Alexandre é réu pelo envolvimento na chacina da Chacina do Cabula, que matou 12 jovens em 2015. Hoje, ele é pré-candidato a vereador pelo PSDB. Enquanto isso, Ivan Leite foi candidato a deputado estadual pelo PL em 2022 e acumulou 11.813 votos, mas não se elegeu.

Defesa de Lázaro Alexandre nega envolvimento com postagem. Ao UOL, o advogado Robson Amorim afirmou que seu cliente "não conhece quem fez o card, não conhece o dono do perfil BolsoRoma, não repostou e não postou nada na rede social dele.

Lázaro não tinha nenhuma punição anterior, tem três elogios na ficha, o que no Estatuto da PM faz que ele tomasse essa primeira punição como advertência. Primeiro, é absurdo a punição. Segundo, absurdo o entendimento do comandante-geral de que houve uma transgressão. Ele deveria se aplicar nesse caso a advertência e não a punição de detenção, né? Ele violou o estatuto.
Robson Amorim, advogado de Lázaro Alexandre

O UOL tentou contato com Ivan Leite, mas não houve retorno. Este espaço segue aberto para manifestações.

Deixe seu comentário

Só para assinantes