PUBLICIDADE
Topo

Republicanos se alia a PTB e anuncia chapa com Russomanno e Marcos da Costa

Celso Russomanno e o presidente do Republicanos na capital paulista, Marcos de Alcântara - 7.ago.2020 - Wesley Ribeiro/Divulgação/Republicanos
Celso Russomanno e o presidente do Republicanos na capital paulista, Marcos de Alcântara Imagem: 7.ago.2020 - Wesley Ribeiro/Divulgação/Republicanos

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo*

16/09/2020 16h06Atualizada em 16/09/2020 18h37

O deputado federal Celso Russomanno (SP) foi confirmado na tarde de hoje como candidato pelo Republicanos à Prefeitura de São Paulo. A convenção do partido também anunciou que o PTB desistiu de lançar Marcos da Costa à prefeitura, que agora será o vice na chapa encabeçada por Russomanno.

O Republicanos ainda anunciou 83 candidatos a vereadores pela sigla. Com uma bancada de quatro parlamentares na Câmara Municipal, o partido espera dobrar esse número em 2020.

"Estaremos alinhados ao presidente"

Em seu discurso, Russomanno acenou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem garante ter recebido apoio.

Nós estaremos alinhados ao presidente da República, não porque eu sou amigo dele desde 1995 ou porque hoje sou vice-líder do governo no Congresso, mas porque estamos imbuídos de fazer o melhor para o país.
Celso Russomanno, candidato a prefeito de São Paulo

"As pessoas podem falar muitas coisas sobre Bolsonaro, mas ninguém pode dizer que ele não tem boas intenções. Ele é patriota e está construindo um Brasil para todos", disse. "Está em nosso escopo Deus, pátria e família."

Russomanno criticou o governador paulista, João Doria, e o atual prefeito, Bruno Covas, ambos do PSDB, por rejeitarem o pedido do presidente para construir colégios militares em São Paulo.

"Já existia promessa feita pelo [ex-prefeito] Paulo Maluf de construir um colégio militar, e isso nunca aconteceu em São Paulo. Vários estados têm e São Paulo não, mas vai ter! Será o maior e melhor colégio militar do Brasil. De lá saem bons brasileiros com espírito de patriotismo e amor pela pátria", afirmou o candidato.

Povo será fiscal

Conhecido por seu programa televisivo sobre direitos do consumidor, Russomanno disse que o paulistano será autorizado pela prefeitura a denunciar irregularidades no serviço público, especialmente em zeladoria urbana e saúde.

"Vamos fazer com que você eleitor seja o fiscal do serviço público. Isso é democracia", afirmou o candidato, que também prometeu "governar por quatro anos", em referência velada a Doria, que deixou a prefeitura para se lançar a governador. "Não abandonarei São Paulo de forma nenhuma."

PTB indica vice

Marcos da Costa, pré-candidato à prefeitura de São Paulo pelo PTB - Mathilde Missioneiro/Folhapress - Mathilde Missioneiro/Folhapress
Marcos da Costa é o vice-candidato de Russomanno em São Paulo
Imagem: Mathilde Missioneiro/Folhapress
A surpresa da convenção foi o anúncio de Marcos da Costa, até agora pré-candidato do PTB ao mesmo cargo. Em seu discurso, o petebista disse que "o Criador sabe escrever o caminho de todos nós".

"Na semana passada, voltando de Brasília, ouço meu nome e era o Russomanno. 'Vejo um caminho vitorioso pela frente', disse ele. Voltamos a nos encontrar no avião, no dia seguinte voltamos a nos encontrar, acidentalmente. Algo estava sendo traçado, o Criador sabe escrever o caminho de todos nós. Celso, você tem aqui um soldado e um guerreiro."

Presidente do diretório paulista do PTB, Campos Machado referendou o apoio: "Nós e Russomanno, bem como o Republicanos, somos parceiros de longa data, tendo disputado a Prefeitura de São Paulo juntos por duas vezes, e estou seguro de que, desta vez, vamos concretizar uma vitória".

Candidato de Bolsonaro?

Com a decisão, o agora candidato do Republicanos —que disputou e perdeu as eleições municipais de 2012 e 2016— se firma como o nome mais forte de Bolsonaro na campanha paulistana.

Sobre as derrotas anteriores, Russomanno diz agora "ter experiência". "Acredito em equipe. Enquanto eu estiver na rua, o Marcos [da Costa, seu vice] estará na administração da prefeitura. Continuarei sendo a mesma pessoa de sempre. O prefeito tem de ser o zelador da cidade."

O presidente conta com outro candidato que usará seu nome em São Paulo: o presidente do PRTB, Levy Fidelix, partido do vice Hamilton Mourão.

A ala bolsonarista no PSL chegou a trabalhar para que a candidata do partido em São Paulo, a também deputada federal Joice Hasselmann, abrisse mão da disputa em apoio a Russomanno, de quem seria vice. O acordo, no entanto, não vingou e Joice se manteve como candidata.

Bolsonaro quer usar a campanha municipal para fazer contraponto a Doria, provável candidato à Presidência em 2022, e que apoia a reeleição do prefeito Bruno Covas, também tucano.

O Republicanos chegou a negociar com Covas ao pedir a vice-candidatura a Russomanno, o que foi recusado. O partido, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, chegou a ser procurado pelo PSB do ex-governador Márcio França, mas decidiu bancar candidatura própria.

Com Russomanno confirmado na disputa, a eleição em São Paulo terá, pelo menos, 14 candidatos a prefeito.

* Colaborou Nathan Lopes, do UOL, em São Paulo.