PUBLICIDADE
Topo

Delegada Patrícia defende gestão autônoma do transporte público no Recife

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/10/2020 15h50

A candidata a prefeita do Recife pelo Podemos, Delegada Patrícia, criticou o Grande Recife Consórcio, responsável pelo gerenciamento do transporte por ônibus na região metropolitana, e afirmou que a população é punida com o órgão.

"A população hoje é penalizada com transporte público lotado, quente e de péssima qualidade, porque temos empresas que estão dominando esse mercado a anos e o município não consegue interferir já que está amarrado num consórcio falido", declarou durante a sabatina do UOL, em parceria com a Folha de S.Paulo, transmitida hoje.

A candidata defendeu que o transporte seja gerido de forma autônoma na capital pernambucana.

"O transporte em Recife será gerido pela sua própria prefeitura, faremos licitações de acordo com o que manda a lei, sem favorecimento a empresa nenhuma de transporte", completou Patrícia, que apareceu com 11% na última pesquisa Ibope.

A candidata ainda afirmou que o consórcio aumentou o tempo no trajeto do cidadão e que está estudando uma possível redução na tarifa, para a população que realiza percursos menores na cidade.

"Hoje nós estamos falando de um passageiro que trafega 5 quilômetros pagando o mesmo que um passageiro que cruza dois municípios", disse.

Pandemia, reforma administrativa e segurança pública

Quando perguntada sobre a atuação da atual gestão durante a pandemia, Patrícia afirmou que foi 'a pior gestão de todos os tempos'.

"Estamos falando de diversos órgãos de controle, e de órgãos policiais que verificaram irregularidades", disse.

A candidata ainda comentou sobre a investigação de irregularidades em contratos da Prefeitura do Recife para compra de respiradores.

"Estamos falando de uma gestão que estava rindo de uma população que estava morrendo", completa.

Sobre o programa de governo, Patrícia prometeu uma reforma administrativa na prefeitura, em que diminuiria a quantidade de secretarias.

"A ideia é reduzir as secretarias em mais de 20% e, paralelamente, reduzir a quantidade de cargos comissionados", disse.

Ela também criticou o modo como a prefeitura atual conduziu a área de segurança pública da cidade.

"É uma insanidade pensar que apenas o Compaz [Centro Comunitário da Paz] poderia resolver o problema da violência", disse.
A candidata prometeu também uma central para monitorar a segurança da população.

"Precisamos de um sistema de monitoramento de câmera de segurança, integrando as câmeras dos comércios, prédios e residências, além da iluminação pública de qualidade", declarou.