PUBLICIDADE
Topo

PB: Vereador cobra candidato a prefeito para que não precise 'comprar voto'

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

27/10/2020 19h51

O vereador e candidato à reeleição Edjailson Alves de Moura (PSC), conhecido como Cinha Alves, do município de Barra de Santana (PB), afirmou durante discurso em comício que não precisará mais comprar voto para ser eleito caso o candidato a prefeito que apoia seja eleito. A afirmação foi gravada na inauguração do comitê da coligação "Uma Barra para Todos", composta pelos partidos PSC e Cidadania, em 17 de outubro.

O vereador é marido da candidata a vice-prefeita Gerlany Moura (PSC), que compõe a chapa "Uma Barra para Todos" cujo candidato a prefeito é Vital Farias de Arruda Filho (Cidadania), conhecido como Vitalzinho Arruda. A disputa ainda tem mais dois concorrentes ao cargo: Cacilda Farias Lopes de Andrade (PSD) e Paulo Medeiro Barreto Júnior (PT).

Edjailson está no quinto mandato de vereador e concorre ao cargo pela sexta vez. Gerlany foi vereadora entre 2005 e 2008 em Barra de Santana. Vitalzinho Arruda é o atual vice-prefeito de Barra de Santana.

Nas imagens obtidas pelo UOL, o vereador discursa dizendo que aconselhou a mulher dele para trabalhar pelos próximos quatro anos, caso seja eleita, para não quebrar a cabeça comprando voto na eleição seguinte.

"Disse a Gerlany: faça um trabalho para quando for daqui a quatro anos a gente não precisar tá quebrando a cabeça, de tá comprando voto, (inaudível) com o trabalho que a gente vamos (sic) fazer na próxima eleição, em nome de Jesus", afirma Cinha Alves, enquanto era aplaudido por uma multidão e gritava dizendo o número do candidato a prefeito apoiado por ele.

Antes da inauguração do comitê, segundo moradores do município, militantes da coligação saíram em passeata com uso de um carro com som alto atraindo dezenas de pessoas - todos sem cumprir regras de distanciamento e a maioria não usava máscaras faciais.

Som alto e anão em cima do teto de carro

Imagens obtidas pelo UOL mostram a passeata a qual dezenas de pessoas acompanharam um carro Golf, de cor amarela, que estava com o porta-malas aberto e um conjunto de som ligado, tocando estridentemente o jingle do candidato ao prefeito. Ao mesmo tempo, um anão foi colocado em cima do teto de um carro, em outra irregularidade ao CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

O vídeo é finalizado com as pessoas dançando atrás do veículo, enquanto o anão continua em cima do carro. O transporte de passageiros em partes externas de veículo é proibido, segundo o artigo 235 do CTB. A penalidade para quem for pego em flagrante é considerada de natureza grave, podendo o veículo ser retido e a aplicação da multa no valor de R$ 195,23 para o condutor.

Moradores do município também relataram durante a passeata da coligação "Uma Barra para Todos" que tiveram o sossego perturbado com o som alto do veículo e também com barulho de fogos de artifício soltados pela coligação, na noite daquele dia.

Partido de candidato rival entra com ação, e Justiça condena

Ao tomar conhecimento das irregularidades, o PSD ingressou com representação de propaganda eleitoral irregular com pedido de tutela de urgência junto ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Na ação, o partido aponta supostas irregularidades ocorridas na inauguração do comitê da coligação "Uma Barra para Todos" e justificou a preocupação da disseminação maior da covid-19 aos moradores do município.

"É de mister importância destacar que além de colocar em risco a saúde da população do município de Barra de Santana e de desequilibrar o pleito, posto que os candidatos e partidos concorrentes têm observado com rigor as determinações desse Ínclito Juízo, o evento realizado, perturbou a ordem pública e causou inúmeros transtornos a população do município", diz o texto da denúncia apresentada à Justiça Eleitoral.

"A imensa maioria dos participantes da aglomeração formada no evento, seguindo o mau exemplo do candidato representado, igualmente aparecem nas imagens sem utilizar a máscara, ou qualquer outro meio de proteção a covid-19, transformando o evento político eleitoral promovido pela campanha do representado, um terreno fértil para a proliferação do vírus que tanta dor e sofrimento tem trazido ao mundo", completa o texto assinado pelo advogado Gustavo Pontinelli.

Hoje, o juiz Jeremias de Cassio Carneiro de Melo, da 49ª zona eleitoral de Aroeiras (PB), determinou que imagens onde os candidatos e militantes aparecem descumprindo regras sanitárias sejam apagadas das redes sociais no prazo de 24h. Em caso de descumprimento, o magistrado estipulou a multa diária de R$ 5 mil, podendo se estender até R$ 30 mil.

Na decisão, o magistrado proibiu, de forma imediata, que eventos que causem "aglomerações de pessoas, como a 'passeata' ou evento similar a comício, bem como reuniões em que seja mais difícil o controle do distanciamento social".

"Há, sim, responsabilidade dos candidatos pela limitação do tamanho de seus atos de propaganda, com vistas à preservação da saúde de toda a população, especialmente de seus eleitores e apoiadores, não sendo escusável possível alegação genérica e descompromissada de que não se controla a vontade das pessoas de irem às ruas", afirmou o juiz eleitoral na sentença.

Vitalzinho Arruda critica oposição

Em nota divulgada nas redes sociais, Vitalzinho Arruda disse que foi "surpreendido com vários processos" ingressados contra a coligação, sendo uma representação contra a abertura do comitê "alegando que nosso evento reuniu uma multidão, evento liberado pela Justiça", justifica. "Não temos como mandar na vontade do povo (...) que queria participar dos nossos eventos, queria contato conosco, e essas atitudes só mostram os ataques e desespero vindo de dois grupos políticos que usam as mesmas estratégias", encerra a nota do candidato a prefeito.

O UOL procurou Edjailson Alves de Moura, Vitalzinho Arruda, Gerlany Moura e os diretórios estadual e nacional dos partidos Cidadania e PSC, mas não houve resposta.