PUBLICIDADE
Topo

Segundo turno registra virada em 17 cidades, novo recorde

O MDB, de Emanuel Pinheiro (Cuiabá), foi o partido com mais viradas no segundo turno: quatro no total - Reprodução/Facebook
O MDB, de Emanuel Pinheiro (Cuiabá), foi o partido com mais viradas no segundo turno: quatro no total Imagem: Reprodução/Facebook

Fernando Cymbaluk Couri

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/11/2020 04h00

As eleições deste domingo (29) registraram recorde de viradas nos resultados do primeiro turno. Neste ano, 17 das 57 cidades que tiveram segundo turno viram os primeiros colocados em 15 de novembro ultrapassados por seus concorrentes. O número corresponde a 29,8% de reviravoltas, recorde nos pleitos municipais desde 1996.

Das cidades com viradas, três são capitais: Manaus, Cuiabá e Maceió. Também houve ultrapassagem em Mauá, Taboão da Serra, São Vicente, Piracicaba, Franca e Mogi das Cruzes, cidades em São Paulo; Caxias do Sul e Santa Maria, ambas no Rio Grande do Sul; Feira de Santana e Vitória da Conquista, na Bahia; Joinville (SC), São Gonçalo (RJ), Ponta Grossa (PR) e Caucaia (CE).

As pesquisas eleitorais já indicavam a possibilidade de virada em ao menos cinco desses municípios: Cuiabá, Maceió, Manaus, Joinville e Mauá.

A quantidade de candidatos que superaram o adversário após começarem em desvantagem poderia ter sido ainda maior, não fossem frustrações de viradas que se desenhavam nas sondagens eleitorais em pelo menos três capitais.

Em Porto Alegre, Manuela D'Ávila (PCdoB) figurou à frente de Sebastião Melo (MDB) em sondagens após terminar o primeiro turno na segunda colocação. Já em Recife, Marília Arraes (PT) aparecia tecnicamente empatada com João Campos (PSB) após ter iniciado a corrida do segundo turno em desvantagem. A mesma situação ocorreu em Vitória, com João Coser (PT) alcançado o empate técnico com Delegado Pazolini (Republicanos) após sair atrás da disputa.

A ultrapassagem mais espetacular ocorreu em Caxias do Sul (SC). Adiló (PSDB), que terminou o primeiro turno com 15,45% dos votos válidos contra 34,17% de Pepe Vargas (PT), disparou para 59,57% dos votos no segundo turno e deixou o adversário para trás, com 40,43%.

Algo semelhante ocorreu em Mogi das Cruzes, onde Caio Cunha (Podemos) foi eleito com 58,39% dos votos contra 41,61% de Marcus Melo (PSDB), após largar com apenas 28,31%, contra 42,29% do tucano.

Taboão da Serra (SP) assistiu à virada mais apertada. Aprigio (Podemos) largou com 32,01% dos votos contra 33,42% de Engenheiro Daniel (PSDB), mas terminou vitorioso, com apenas 1.695 votos a mais —50,63% contra 49,37% do tucano.

Também foram apertadas as viradas em Cuiabá e Manaus. Na capital mato-grossense, Emanuel Pinheiro (MDB) foi de 30,64% dos votos contra 33,72% de Abilio (Podemos) para a vitória por 51,15% contra 48,85%. Na amazonense, David Almeida (Avante) superou Amazonino Mendes (Podemos) por 51,27% a 48,73%, depois de sair atrás no primeiro turno: 22,74% contra 24,31% do derrotado.

O MDB foi o partido que mais conseguiu viradas —quatro no total—, seguido por Podemos (3), PSDB e Avante (2). As siglas que mais tomaram viradas foram o PT e o PSDB, com quatro derrotas cada um.

Novo recorde

A porcentagem de cidades que registraram viradas de resultado do primeiro para o segundo turno neste ano foi a maior em comparação com as eleições municipais disputadas desde 1996. De acordo com um levantamento do jornalista Fernando Rodrigues, o índice de viradas em pleitos municipais nunca havia ultrapassado os 28% alcançados em 2004 —quando 12 de 43 disputas tiveram ultrapassagens.

Segundo o levantamento, o menor percentual de viradas na série foi de 8%, registrado em 2012, quando quatro de 50 candidatos superaram adversários melhores colocados no primeiro turno.

A baixa quantidade de viradas de resultado do primeiro para o segundo turno naquele ano segue uma tendência verificada no histórico de eleições municipais no Brasil. De todas as disputas de segundo turno de 1996 a 2016, em apenas 23,6% houve viradas (57 viradas de um total de 242 disputas).

Segundo turno

As 57 cidades que tiveram segundo turno representam cerca de 60% do total de 95 municípios em que uma segunda rodada de votação é possível. Desse grupo, 18 são capitais.

O segundo turno é realizado apenas em cidades com mais de 200 mil eleitores, quando nenhum candidato alcança a maioria absoluta de votos —ou seja, mais da metade dos votos válidos.

Não há eleição municipal em Brasília. Em Macapá, a votação foi adiada devido ao apagão que atingiu o Amapá.