PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Ao lado de Chávez, Lula destaca importância da classe empresarial

Do UOL Notícias<br>Em São Paulo

06/08/2010 19h23

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta sexta-feira (6) a importância da classe empresarial, em um discurso realizado ao lado do presidente socialista da Venezuela, Hugo Chávez.

Em tom de despedida, Lula prometeu voltar à Venezuela para visitar Chávez quando já tiver deixado o cargo. Em seguida, quis relembrar os “sucessos das políticas sociais” e destacou o papel dos empresários.

“O sucesso das políticas sociais que nós implantamos no Brasil é reconhecido por qualquer empresário que você perguntar aqui. E essa é uma das razões do sucesso da economia brasileira”, afirmou Lula, sentado ao lado do venezuelano.

“Quero agradecer aos empresários brasileiros, porque apesar da preocupação, de algumas notícias de que a Venezuela iria estatizar empresas brasileiras, ou de que a Venezuela não pagaria as empresas brasileiras, esses empresários têm confiança”, acrescentou. “Cada vez que eu os convido para vir à Venezuela trabalhar em um projeto eles ficam motivados”.

Chávez diz a Lula: Você deixa a presidência; se Deus quiser, eu continuo

Dirigindo-se a Chávez, o presidente brasileiro completou: “E sei da extraordinária relação que você tem com esses empresários. E sei quanto eles podem contribuir para a Venezuela”.

“Gostaria muito que nossos empresários não quisessem fazer as coisas sozinhos aqui na Venezuela, mas que tentassem fazer parceria com os empresários venezuelanos, para que eles possam estar economicamente fortes e amanhã venham fazer investimentos no Brasil, associando-se a empresas brasileiras”, concluiu Lula.

O presidente brasileiro também afirmou que os países sul-americanos são unidos entre si “como um bebê ao cordão umbilical” e que devem escolher suas políticas de modo independente dos países “do norte”.

Com as mãos sobre os ombros de Lula, Chávez qualificou o discurso do brasileiro como “apaixonado e sábio” e disse que, presidente ou não, ele sempre foi “o Lula”.
 

Internacional