Assassinatos no RJ são mais do que o dobro de mortes de civis no Afeganistão em 2010

Talita Boros*
Do UOL Notícias
Em São Paulo

  • Goran Tomasevic/Reuters

    Número de mortes no Afeganistão perde para assassinatos em SP e no Rio em 2010

    Número de mortes no Afeganistão perde para assassinatos em SP e no Rio em 2010

O número de assassinatos no Rio de Janeiro no primeiro semestre deste ano é mais do que o dobro das mortes civis no conflito do Afeganistão durante o mesmo período, segundo dados do ISP (Instituto de Segurança Pública, do Rio).

O conflito no Afeganistão deixou 1.271 mortos nos primeiros seis meses do ano, enquanto o RJ registrou 2.556 assassinatos. Se comparado com São Paulo, os números também assustam: os homicídios no Estado paulista somam 2.412, índice 89% maior que no conflito na Ásia central.

As estatísticas da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo apontam também que o trânsito matou 2.249 pessoas no primeiro semestre deste ano, o que corresponde a 76% a mais em relação aos mortos civis no Afeganistão. No Rio de Janeiro, acidentes de trânsito mataram 1.154 pessoas no mesmo período, segundo o ISP.

Assassinatos - 1° sem de 2010

Afeganistão 1.271
São Paulo 2.412
Rio de Janeiro 2.556

Os dados do Afeganistão foram divulgados nesta terça-feira (10) pela missão da ONU (Organização das Nações Unidas) no país. De acordo com o documento, o Taleban e outros insurgentes, qualificados como "elementos antigovernamentais", foram responsáveis por 75% das mortes e feridos no país.

Do total de civis mortos neste primeiro semestre, 1.013 eram afegãos e 258 estrangeiros. Segundo o documento, houve um aumento de 31% em relação ao primeiro semestre de 2009.

Perdas
A guerra contra os talebans afegãos, que já supera em duração à do Vietnã, atingiu o pico de baixas de soldados estrangeiros em junho desse ano, quando 102 morreram (no total, as forças internacionais perderam 1.979 homens). Para os EUA, o mês mais sangrento foi julho, com 66 mortes de militares.

A Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) emite cada vez mais comunicados sobre mortes de soldados e menos a respeito de avanços no terreno, embora o objetivo dos Estados Unidos seja iniciar a retirada das tropas em julho de 2011.

Os ataques aéreos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), durante muito tempo questionados pela ONU e pelo governo afegão, foram responsáveis por um terço das mortes de civis ocasionadas pelas forças internacionais. Desde que o general McChrystal --então chefe das forças americanas e internacionais-- ordenou a diminuição desses ataques em 2009, os rebeldes se converteram nos principais responsáveis pelas mortes de civis.

O general David Petraeus, novo comandante das forças internacionais, ditou em 1º de agosto novas diretrizes para proteger os civis e manteve a decisão de seu antecessor de limitar os ataques aéreos.

A ONU divulgou relatórios anuais entre 2007 e 2009, que apontavam um número de 6.053 civis mortos nesses três anos, 2.053 deles em ações das tropas internacionais e afegãs. Nenhum cálculo recolhe o número de soldados afegãos mortos nesta fase da guerra.

*Com agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos