PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Com desistência de cardeal, número de votos na eleição do novo papa caiu para 116

Por problemas de saúde, o cardeal Julius Riyadi Darmaatmadja, arcebispo emérito de Jacarta (Indonésia), não comparecerá ao conclave que vai eleger o novo papa - AP
Por problemas de saúde, o cardeal Julius Riyadi Darmaatmadja, arcebispo emérito de Jacarta (Indonésia), não comparecerá ao conclave que vai eleger o novo papa Imagem: AP

Do UOL, em São Paulo

21/02/2013 13h10

O cardeal Julius Riyadi Darmaatmadja, arcebispo emérito de Jacarta (Indonésia), comunicou nesta quinta-feira (21) que não comparecerá ao conclave que vai eleger o novo papa por motivos de saúde. Com a decisão, o número de cardeais esperados para decidir o futuro da Igreja Católica e do Vaticano caiu de 117 para 116. 

O cardeal de 78 anos confirmou que, devido à deterioração das suas condições físicas, não poderá viajar para Roma. Ele vive em uma casa de jesuítas para padres idosos, na ilha de Java, há dois anos, desde que deixou a arquidiocese por ter atingido o limite da idade para o cargo, 75 anos.

Em uma entrevista à agência de notícias "AsiaNews", Darmaatmadja descreveu a "deterioração progressiva" de sua condição física, desde que deixou a arquidiocese da capital há dois anos e foi morar em uma casa de repouso para sacerdotes idosos.

"As principais dificuldades estão à vista", disse em voz baixa. A incapacidade de ler textos e documentos, segundo ele, é um obstáculo muito grande para trabalhar de forma independente e serena.

"Estou convencido de não ser capaz de sentar-se com os outros cardeais e votar no novo papa. Por isso que decidi não ir a Roma", relatou o religioso, que manifestou "profundo pesar" em não participar de um dos eventos mais "importantes e históricos da Igreja Católica".

Darmaatmadja  afirmou "compreender plenamente" a decisão do papa Bento 16. "Vivi na pele essa situação quando era arcebispo de Jacarta e decidi renunciar quando completei  75 anos. Para ser bispo de uma cidade metropolitana é preciso estar em boa saúde física."

O conclave que escolheu Bento 16 contou com a participação de 115 cardeais. O pontífice, de 85 anos, anunciou sua renúncia este mês e deve deixar o cargo no próximo dia 28. A previsão do Vaticano é que um novo papa seja escolhido até a Páscoa. 

Antecipação do conclave

O papa Bento 16 estuda a possibilidade de publicar um "Motu Proprio" para definir alguns pontos da Constituição Apostólica e poder antecipar o conclave, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi.

ENTENDA O PROCESSO SUCESSÓRIO DO PAPA

Quando o chefe da Igreja Católica renuncia a sua função ou morre, seu sucessor é eleito pelos cardeais reunidos em conclave na Capela Sistina, onde ficam isolados do mundo exterior.

Cinco cardeais brasileiros deverão participar do conclave que se reunirá para eleger o sucessor do papa Bento 16. Segundo a última lista do Vaticano, há um total de 117 cardeais aptos a votar no conclave.

Para poder votar na escolha do papa, o cardeal precisa ter menos de 80 anos. O Brasil tem um total de nove integrantes no Colégio Cardinalício do Vaticano, mas quatro deles já ultrapassaram a idade limite.

O documento papal - ou "Motu Proprio" - permitiria aos cardeais a antecipação do conclave em que se elegerá o novo papa, após a renúncia de Bento 16. Lombardi também não descarta a possibilidade de o pontífice alterar outro documento relacionado ao conclave, chamado 'Ordo Conclavis Ritos', que regula as orações e os rituais da eleição. 

"Em qualquer caso a questão depende da avaliação do papa e se há tempo hábil para que esse documento seja publicado de forma apropriada", relatou o porta-voz do Vaticano. 

Segundo a Constituição "Universi Dominici Gregis", o conclave deve começar 15 ou 20 dias após o Trono de Pedro ficar vago pela morte ou renúncia do pontífice. 

Mas, como o vice-prefeito da Biblioteca do Vaticano, Ambrogio Piazzoni, explicou, a legislação em vigor permite a antecipação desde que "os cardeais cheguem a Roma antes do período de 15 dias e desde que não haja nada mais a esperar ".

Brasileiros na decisão

O conclave terá a participação de cinco cardeais brasileiros com direito a voto e que podem ser eleitos pontífices. O arcebispo emérito de São Paulo, dom Claudio Hummes, terá 78 anos quando começar o processo. Ele será acompanhado do atual presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno, que completou 76 anos em 15 de fevereiro e também é arcebispo de Aparecida.

Os outros três brasileiros no conclave são o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, no Vaticano, dom João Braz de Aviz, 65; o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, 63; e o arcebispo de Salvador e ex-presidente da CNBB, dom Geraldo Majella Agnelo, que completará 80 anos em outubro.

Leia mais sobre a renúncia

  • Filippo Monteforte/AFP

    Raio atinge a basílica de São Pedro no mesmo dia em que Bento 16 anunciou a renúncia

Reza e renovação

Bento 16 pediu aos fiéis no domingo (17) que rezem por ele e pelo próximo papa, em declaração feita a uma multidão maior do que o normal em sua penúltima celebração do Angelus dominical, no Vaticano.

"Agradeço de coração a todos por suas orações e afeto nestes dias. Os suplico que continueis rezando por mim e pelo próximo papa, assim como pelos exercícios espirituais que começarei esta tarde junto com os membros da Cúria Romana", disse.

As pessoas na praça de São Pedro gritaram "Viva o Papa", agitaram bandeiras e irromperam em aplausos desde que o pontífice falou de sua janela. Aos 85 anos, Bento 16 deixará o papado em 28 de fevereiro.

O pontífice também fez votos para que neste tempo de Quaresma a Igreja e todos os seus membros a se "renovarem" e "se reorientarem em direção a Deus, rejeitando o orgulho e o egoísmo". (Com agências internacionais)

Internacional