Topo

Dois jornalistas são mortos durante transmissão ao vivo para TV nos EUA

Vester Lee Flanagan, que usava o nome Bryce Williams, quando trabalhava para a WDBJ - Reprodução/Twitter/AmandaOnFOX7
Vester Lee Flanagan, que usava o nome Bryce Williams, quando trabalhava para a WDBJ
Imagem: Reprodução/Twitter/AmandaOnFOX7

Do UOL, em São Paulo

26/08/2015 10h12Atualizada em 26/08/2015 16h32

Dois jornalistas foram mortos a tiros durante uma transmissão ao vivo para TV em Moneta, na Virgínia, nos EUA. O suspeito, identificado como Vester Lee Flanagan, se matou horas depois dos assassinatos, após fugir da polícia. 

A repórter Alison Parker, 24, e o fotógrafo Adam Ward, 27, conduziam uma entrevista para a TV WDBJ, uma afiliada da CBS, no momento do ataque, por volta das 9h45 (horário de Brasília).

A gravação ao vivo mostra a repórter gritando e o som de tiros. Nos últimos segundos, após ser baleado, o cinegrafista consegue captar a imagem do atirador.
 
A pessoa que estava sendo entrevistada, identificada como Vicki Gardner, chefe da Câmara de Comércio local, foi atingida nas costas e levada para um hospital, onde passou por cirurgia.
 
Em comunicado publicado no Facebook, a polícia de Virgínia confirmou que perseguiu o carro do suspeito na rodovia I-66 até que o veículo saiu da estrada e bateu.
 
"Agentes se aproximaram do veículo e encontraram o motorista do sexo masculino com um ferimento a bala. Ele está sendo transportado para um hospital próximo para tratar de ferimentos letais", afirmava a nota. 
 
Flanagan morreu horas depois, no hospital Inova Fairfax. A causa da morte foi um tiro no peito disparado por ele próprio.

Suspeito é ex-funcionário da emissora

Vester Flanagan,41, também foi jornalista da WDBJ, utilizando o nome de Bryce Williams, e postou imagens do momento do tiroteio. Sua conta na rede social foi retirada do ar.

Imagens de seu perfil no Twitter logo depois do tiroteio mostraram ele acusando Parker de ter feitos comentários racistas, questionando em seguida: "eles a contrataram depois disso?".

Flanagam acusou ainda Ward de tê-lo reportado ao setor de Recursos Humanos da empresa após terem trabalhado juntos.

Ele então postou a mensagem "filmei o tiroteio, veja o Facebook", e em seguida publicou vídeos que filmou do momento dos assassinatos.

O vídeo publicado no Twitter, e depois apagado, mostra o atirador se aproximando calmamente dos jornalistas antes de começar a atirar.

Segundo o diretor da emissora, Jeff Marks, o suspeito apresentava dificuldades de relacionamento no trabalho. 

"Depois de vários episódios em que ele se deixou dominar pela raiva, nós o demitimos. Ele não aceitou, e tivemos de chamar a polícia para retirá-lo do prédio", afirmou.  (Com agências internacionais)

Internacional