PUBLICIDADE
Topo

Alerta máximo contra o terror em Bruxelas eleva a tensão em Paris

Carolina Vila-Nova

Do UOL, em Paris

21/11/2015 13h06

O aumento do alerta terrorista em Bruxelas, na Bélgica, neste sábado (21), teve implicações na vida de Paris, que continua com a sensibilidade e os nervos à flor da pele após os atentados da sexta-feira da semana passada (13).

Em meio ao incremento nos esquemas de segurança, as autoridades dos dois países têm feito um esforço para orientar a população sobre como agir antes e em caso de atentado.

O alerta se mostrou necessário especialmente depois que diversos sobreviventes do ataque na casa de shows Le Bataclan revelaram que se fingiram de mortos para escapar dos terroristas - um equívoco, dizem os especialistas.

A primeira orientação é correr. Identifique uma rota segura, peça que outros o sigam e deixe seus pertences para trás.

A segunda, esconder-se atrás de paredes, portas ou construções reforçadas. Nesse caso, faça um esforço de lembrar-se de deixar o celular no silencioso.

A terceira orientação é, assim que possível, dar a polícia o máximo possível de informações – por exemplo, quantos são os agressores e onde estão localizados no lugar sob ataque.

Além disso, autoridades recomendam: evite lugares públicos e aglomerações (entre elas, shows e apresentações). Se estiver em um café ou restaurante, sente-se longe da entrada e próximo a uma rota de fuga.

1.500 soldados a mais

Neste sábado, as viagens de trem entre Paris e Bruxelas foram interrompidas, e companhias como a Eurostar ofereceram o dinheiro da passagem de volta ou a possibilidade de viajar outro dia, sem custo.

A Air France informou que seus voos foram mantidos, mas que as checagens de segurança foram incrementadas.

Há grande presença policial e militar especialmente em locais públicos de grande movimentação, como pontos turísticos e estações de metrô e de trem, além de shopping centers.

A partir de hoje, estão nas ruas da capital francesa 1.500 soldados a mais  -- como medida aprovada pelo Parlamento nesta semana, eles andam fortemente armados, com metralhadoras.

Internacional