Em referendo, Nova Zelândia decide manter bandeira tradicional

Do UOL, em São Paulo

  • Marty Melville/AFP

    Bandeira da Nova Zelândia tremula no prédio do Parlamento na capital Wellington

    Bandeira da Nova Zelândia tremula no prédio do Parlamento na capital Wellington

Em referendo que terminou nesta quinta-feira (24), a Nova Zelândia decidiu manter a bandeira tradicional do país. Resultados preliminares mostram que 56,6% dos neozelandeses preferiram manter a bandeira, enquanto 43,2% optaram pela nova flâmula, de acordo com o jornal britânico "The Guardian".

Os resultados oficiais devem ser divulgados na próxima quarta-feira (30).

O primeiro-ministro do país, John Key, apoiava a troca de bandeira e afirmou estar um pouco desapontado. "Obviamente estou um pouco desapontado, não houve mudança, mas quase um milhão de pessoas votou pela mudança. Só porque não é o resultado que eu queria, não significa que não foi um processo interessante", disse.

O orçamento estimado do referendo é de 26 milhões de dólares neozelandeses (equivalente a R$ 70 milhões), incluindo gastos como a alta remuneração dos 12 membros do "Comitê da Bandeira", criado para promover um debate com o público.

Formado por acadêmicos, ex-esportistas, empresários e militares, que recebem no mínimo 640 dólares neozelandeses (mais de R$ 1.700) por dia trabalhado, o grupo se tornou motivo de piada ao organizar eventos fracassados, como workshops que atraíram, respectivamente, oito e dez pessoas nas cidades de New Plymouth e Christchurch.

Reprodução/New Zealand Government
Bandeira proposta pelo premiê neozelandês e que deve ser escolhida

Suspeita de fraude

Apesar de a Nova Zelândia ser considerada o quarto país menos corrupto do mundo, segundo ranking da ONG Transparência Internacional, um grande furor tomou conta das redes sociais após os resultados da primeira etapa do referendo.

Suspeitas de manipulação foram levantadas, especialmente pelo grande número de votos considerados inválidos (9,7%). Em nota, o Comitê Eleitoral afastou a hipótese: "havia um espaço em código QR nas cédulas que não podia ser preenchido, quem escreveu por cima teve o voto invalidado, assim como todos que marcaram incorretamente os campos solicitados para votação".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos