Explosão em ônibus em Jerusalém deixa ao menos 20 feridos

Do UOL, em São Paulo

  • Thomas Coex/AFP

A explosão de um ônibus em Jerusalém, em Israel, deixou ao menos 20 feridos, informaram meios de comunicação israelenses. Segundo a polícia, uma bomba foi detonada na parte traseira do veículo.

A polícia não fez menção aos supostos autores do ataque, que ocorreu no bairro de Derech Hebron, no sudoeste da cidade.

Em um ato público, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que suas forças de segurança encontrarão os autores. "Encontraremos quem preparou esta bomba. Encontraremos quem a enviou e quem estiver por trás dela. Acertaremos as contas com estes terroristas", afirmou.

Segundo o boletim policial, vários especialistas em explosivos ainda analisam os destroços do ônibus, que ficou completamente queimado, de outro ônibus que passava ao lado e no qual viajavam os feridos, e de um carro estava atrás, para analisar os estragos.

O serviço secreto Shabak investiga se a bomba foi deixada no ônibus, que aparentemente estava vazio, para que sua detonação acontecesse quando os passageiros entrassem, ou se, pelo contrário, um dos feridos graves era um terrorista suicida, informou o serviço de notícias "Ynet".

O diretor da Magen David Adom em Jerusalém, Shlomo Petrover, disse em declarações ao "Chanel 10" que um dos feridos está em estado grave e seis sofreram ferimentos moderados. Os demais têm ferimentos considerados leves.

A forte explosão foi ouvida em todo o sul de Jerusalém e a Agência Efe pôde constatar uma coluna de fumaça a uma distância de pelo menos dois quilômetros, assim como a passagem de várias ambulâncias. 

Túnel

A explosão ocorreu horas após o Exército de Israel ter anunciado a descoberta de um novo túnel de infiltração construído por militantes do Hamas. 

O túnel começa na Faixa de Gaza e penetra várias centenas de metros em território israelense.

"Neutralizamos o túnel no território israelense, tornando-o inútil para a infiltração de terroristas do Hamas", disse o tenente-coronel Peter Lerner, porta-voz dos militares, em uma teleconferência com jornalistas estrangeiros.

O Hamas, grupo palestino que controla a Faixa de Gaza, não comentou de imediato sobre a descoberta, que pode aumentar as tensões ao longo de uma fronteira que vem se mantendo pacífica desde o final da guerra de 2014.

Lerner disse que o túnel foi o primeiro a ser descoberto em território israelense desde o conflito de quase dois anos atrás. Durante sete semanas de combates, o Hamas usou túneis que levavam a Israel para se infiltrar em quatro ocasiões, matando 12 soldados. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos