HRW acusa Turquia de matar e agredir refugiados que tentaram cruzar fronteira

Do UOL, em São Paulo

  • Osman Orsal/Reuters

    Soldados turcos montam guarda enquanto menino refugiado espera atrás de cerca para atravessar para da Síria para a Turquia

    Soldados turcos montam guarda enquanto menino refugiado espera atrás de cerca para atravessar para da Síria para a Turquia

Relatório da ONG Human Rights Watch publicado nesta terça-feira (10) afirma que forças de segurança turca mataram ao menos cinco refugiados e agrediram outros 14 que tentaram cruzar a fronteira do país. Entre os mortos estaria uma criança.

O grupo afirma que as agressões, perpretadas por guardas da fronteira, aconteceram nos meses de março e abril deste ano. 

"Enquanto altas autoridades turcas afirmam que têm recebido refugiados sírios com fronteiras e braços abertos, seus guardas nas fronteiras estão matando e agredindo eles", diz no relatório Gerry Simpson, pesquisador da Human Rights Watch. "Disparar armas de fogo contra homens, mulheres e crianças traumatizados e que estão fugindo da guerra é realmente brutal."

Um vídeo que acompanha o relatório mostra refugiados sendo espancados pelo que parecem ser guardas da fronteira. Também são mostrados os cadáveres de um homem e de uma mulher, e várias pessoas exibem marcas de agressões. Testemunhas identificam os agressores como soldados turcos.

O governo turco nega as acusações. Um porta-voz do governo disse nesta terça-feira que uma política de portas abertas não quer dizer necessariamente fronteiras abertas e que o país admite refugiados em pontos designados de passagem. 

A Turquia abriga hoje cerca de 3 milhões de refugiados sírios. (Com agências internacionais). 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos