Política externa vai atender à sociedade e não a um partido, diz Serra ao assumir Itamaraty

Do UOL, em São Paulo

O ministro José Serra (Relações Exteriores) estabeleceu dez novas diretrizes para a política externa brasileira nesta quarta-feira (18), dizendo que a partir de agora ela irá "atender à sociedade e não a um partido", em discurso durante cerimônia de transmissão de cargo, em Brasília.

"A diplomacia voltará a refletir de modo transparente e intransigente os valores da sociedade brasileira e os interesses de sua economia", disse Serra. "A nossa política externa será regida pelos valores do Estado e da nação, não de um governo e jamais de um partido."

Entre as novas diretrizes que serão sua prioridade, Serra citou as relações com a Argentina, o México e os EUA, o fortalecimento do Mercosul e o trabalho conjunto com outros ministérios para reforçar a segurança nas fronteiras, "hoje lugar do desenvolvimento do crime organizado no Brasil".

"Nos empenharemos em mobilizar a cooperação de nossos países vizinhos para uma ação conjunta contra essas práticas criminosas", afirmou.

"Quero retirar o Itamaraty gradativamente da penúria de recursos em que foi deixado pela irresponsabilidade fiscal que dominou a economia brasileira nesta última década", disse ainda Serra.

"A casa será reforçada e não enfraquecida. E no governo do presidente Temer, o Itamaraty volta ao núcleo central do governo", acrescentou.

Nesta semana, o Itamaraty informou ao Planejamento que precisa de mais de R$ 800 milhões para cobrir dívidas da pasta, cujo orçamento é de R$ 2,98 bilhões.

Há problemas no pagamento de auxílios a diplomatas e atrasos de até quatro meses nos salários de pessoal contratado no exterior.

Serra cumpriria mandato de senador até 2022, mas se afastou do cargo para assumir o ministério, indicado pelo presidente interino Michel Temer (PMDB-SP). Ele substitui Mauro Vieira, diplomata de carreira.

Além de senador, Serra já foi prefeito de São Paulo e governador do Estado e candidato à Presidência da República duas vezes. Em 2012, concorreu à Prefeitura de São Paulo, mas foi derrotado por Fernando Haddad (PT-SP).

O atual ministro, segundo reportagem da Folha de S.Paulo, vinha buscando caminhos para voltar aos holofotes políticos, diante da disputa interna no PSDB com o senador Aécio Neves (presidente nacional do partido) e Geraldo Alckmin (governador de São Paulo pela legenda).
 
Esta foi uma das poucas cerimônias de transmissão de cargo entre ministros realizadas, até o momento, após o afastamento de Dilma Rousseff, na última quinta-feira, uma vez que muitos dos que foram forçados a deixar o governo se negaram a entregar oficialmente suas pastas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos