Moda para mulheres armadas ganha espaço nos EUA

Lisa Marie Pane

Em Atlanta

  • Reprodução/Nickel and Lace

Essa arma me deixa gorda?

Durante décadas, as mulheres tiveram poucas opções no que diz respeito a roupas que elas pudessem usar para esconder que estão carregando uma arma. Elas podiam usar camisetas ou casacos folgados, ou colocá-la dentro de uma bolsa e torcer para que não fosse roubada ou que não tivesse dificuldades para sacá-la em uma emergência.

Mas agora há coldres, corseletes, corpetes e outras roupas desenhadas para valorizarem o corpo feminino e serem funcionais para o público de mães armadas.

"Não quero usar roupa de campo ou camuflada durante o tempo todo. Adoro essas roupas para treinar. É confortável. Não quero estragar minhas roupas do dia a dia", diz Marilyn Smolenski, que em 2012 criou a Nickel and Lace, uma empresa que atende a mulheres que querem carregar uma arma escondida mas não querem abrir mão da feminilidade. "Mas não quero usá-la para ir até o mercado."

Smolenski fundou sua empresa bem na época em que as leis municipais de Chicago mudaram e ela pôde voltar a carregar legalmente uma arma. Quando isso aconteceu, ela teve dificuldades para encontrar algo que não a fizesse parecer desleixada e não revelasse que ela estava carregando uma arma. A maior parte das roupas era direcionada para homens, como casacos com bolsos secretos, ou coldres que se encaixavam discretamente no cós. Mas até poucos anos atrás, nem sempre essas eram opções muito boas para mulheres que não usam cinto tão frequentemente e costumam usar mais roupas justas do que os homens, tornando difícil esconder o fato de que estão carregando uma arma.

Tae-Gyun Kim/AP
"Quando você coloca um coldre masculino no corpo de uma mulher, ele aparece. Ele não se ajusta ao corpo", diz Carrie Lightfoot, fundadora e proprietária da The Well Armed Woman em Scottsdale, Arizona, que faz tudo, desde fornecer instruções sobre armas de fogo para mulheres até vender uma série de roupas para carregar armas escondidas. Uma das primeiras missões de sua empresa foi desenhar e produzir um coldre que reconhecesse as diferenças entre os diversos tipos de corpo e estilos entre homens e mulheres.

A cintura das mulheres tende a ser mais curta, o que oferece menos espaço para se sacar uma arma de um coldre. Os quadris e o torso também pode atrapalhar, segundo ela.

Lightfoot e Smolenski dizem que alguns fabricantes tendem a "encolher e pintar de rosa" os coldres, por acreditarem que diminuir o tamanho e pintar com cores vivas os equipamentos produzidos para homens satisfaria clientes mulheres. Elas e outras do ramo contrapartes enfatizam que levam em consideração primeiramente a funcionalidade e a segurança, mais do que a estética.

"As mulheres precisam saber se podem carregar uma arma de forma eficaz", diz Lightfoot. "Acho que o segredo é encontrar um jeito de carregá-la de forma que você se sinta confortável e se movimente durante o dia sem ser incomodada, com um grande volume de metal nas calças sem conseguir se sentar para trabalhar."

As duas também são defensoras da ideia de se fornecer às mulheres informações e orientações sobre formas de se sentir segura e protegida. Para Smolenski, esse objetivo levou à criação da Feira Anual de Armas e Moda, que inclui palestras sobre segurança pessoal. Sua empresa na verdade começou com uma linha de joias, que vão desde colares que podem ser arrancados facilmente e usados como uma arma até palitos que podem ser tanto usados para prender o cabelo quanto para serem brandidos contra um agressor.

Tae-Gyun Kim/AP

Para Anna Taylor, fundadora e CEO da Dene Adams LLC—nome de seu avô, que lhe ensinou desde cedo a respeitar armas de fogo e manuseá-las com segurança—o caminho até criar uma linha de roupas para carregar armas de modo oculto começou por volta da época em que ela se tornou uma mãe solteira e a segurança da família passou a depender dela. Quando ela obteve sua primeira autorização para porte oculto de armas em 2013, ela testou sete coldres diferentes.

"Alguns eram duros e desconfortáveis. Outros, eu precisava tirar quando ia ao banheiro, e eu tinha medo de ir embora e esquecê-lo como já esqueci meu telefone antes. Outros ainda eram do tipo faixas para se usar na barriga com um tecido tão horrível que dava para ver o cabo ou a forma da arma através da roupa", diz Adams. "Então quando eu saía em público, eu sentia como se meus braços ficassem tentando esconder desajeitadamente esse negócio."

Seu primeiro projeto envolvia um mousepad e um corpete pós-parto para criar um coldre macio. Ela conseguia carregar as crianças pela casa, amamentar, dar banho nas crianças—e até pular em um trampolim—"e eu conseguia esquecer que ela estava lá". Com seus últimos US$ 200, ela encontrou um fabricante disposto a bancar uma pequena produção. Três anos depois, agora ela tem produtos nas prateleiras de quase 100 lojas em todo o país. Ela ampliou suas atividades para segurança e treinamento, e agora é uma instrutora de tiro da NRA (Associação Nacional de Rifles). Até alguns homens compram seus produtos, incluindo oficiais da força aérea que vão atrás de seus modelos confortáveis.

"Temos opções sem renda. Temos preto liso", ela diz.

EUA têm, em média, uma arma de fogo por habitante

Tradutor: UOL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos