Polícia inocenta internauta que transmitiu morte de vítima ao vivo no Facebook

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/ Facebook

    Calvin Louis Blackshire Jr. foi morto quando foi a um motel para um encontro

    Calvin Louis Blackshire Jr. foi morto quando foi a um motel para um encontro

A polícia da Carolina do Norte, nos EUA, afirmou que a pessoa que transmitiu no Facebook os últimos momentos de um homem morrendo não pode ser condenado porque não violou nenhuma lei.

O policial Pedro Orellano disse ao jornal "The Fayetteville Observer" que a polícia falou com a pessoa que gravou o vídeo de 10 minutos e concluiu que ela não estava envolvida na morte de Calvin Louis Blackshire Jr, de 27 anos.

Blackshire foi baleado e morto na noite de 19 de janeiro em um motel em Fayetteville, Carolina do Norte. Ele foi roubado quando chegava ao local, onde iria se encontrar com alguém. A polícia afirma que o criminoso levou o celular e os sapatos da vítima.

Agora a polícia procura o autor do disparo que matou Blackshire. Os investigadores não sabem se a vítima foi baleada antes ou depois do roubo.

A mãe da vítima, Pamela Blackshire, disse que estava aborrecida por ninguém poder ser acusado pela gravação da morte do filho, que é pai de uma criança de um ano de idade. Ela disse que o vídeo mostra pessoas tirando fotos do corpo do seu filho.

O Facebook removeu o vídeo. Orellano disse que funcionários do Facebook ajudaram a identificar a pessoa que gravou e publicou o vídeo na rede social. (com a AP e o "The Fayetteville Observer")

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos