Estado Islâmico reivindica ataque em Manchester

Do UOL, em São Paulo

O grupo extremista Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque à bomba contra o show da cantora Ariana Grande, em Manchester, na Inglaterra, que deixou pelo menos 22 mortos e 59 feridos.

O comunicado, publicado pelo EI por meio de um de seus canais de comunicação nas redes sociais, indica que "um dos soldados do califado colocou uma bomba no meio da multidão" durante o show.

O grupo também ameaça cometer outros ataques.

O autor do atentado suicida pretendia provocar a maior carnificina possível com o ataque, que tem crianças e adolescente entre as vítimas, afirmou nesta terça-feira a primeira-ministra britânica Theresa May.

A polícia também anunciou a detenção, relacionada à investigação do caso, de um homem de 23 anos na zona sul de Manchester.

"Sabemos que apenas um terrorista explodiu um artefato de fabricação caseira perto de uma das saídas do local, escolhendo deliberadamente o momento e o local para provocar uma carnificina máxima", disse May em Downing Street.

A primeira-ministra informou que a polícia acredita conhecer a identidade do autor do atentado, executado na Manchester Arena ao final do show da cantora pop americana.

"A polícia e as forças de segurança acreditam conhecer a identidade do criminoso, mas neste ponto das investigações não podem confirmar seu nome", afirmou.

As forças de segurança "acreditam que o atentado foi cometido por apenas um homem, mas precisam saber se atuava sozinho ou era parte de um grupo", completou a primeira-ministra, que presidiu uma reunião urgente do gabinete de Segurança.

A rainha Elizabeth 2º chamou de "ato bárbaro" o atentado suicida de Manchester na segunda-feira à noite.

"A nação inteira está chocada (...) expresso minha mais profunda simpatia a todos os afetados por esse terrível evento, em particular as famílias e próximos daqueles que foram mortos ou feridos" neste "ato bárbaro", declarou a rainha em um comunicado.

"Sei que falo em nome de toda a nação ao expressar minha mais profunda solidariedade com todos que foram afetados por este ato espantoso, e especialmente às famílias e amigos de todos os que morreram e ficaram feridos", completou.

A explosão aconteceu por volta das 22h30 (hora local), na saída do concerto. Ela ocorreu num espaço aberto, no foyer da Manchester Arena, casa de espetáculos que pode abrigar quase 30 mil pessoas e que é considerada uma das mais modernas do planeta.

Testemunhas descreveram como, pouco depois que Ariana Grande se despedia do público e as luzes se acendiam no pavilhão, uma grande explosão provocou pânico entre os presentes, que correram buscando uma saída.

O atentado acontece a menos de três semanas das eleições gerais no Reino Unido, previstas para 8 de junho. A campanha eleitoral foi suspensa.

É o mais mortal atentado em território britânico desde o de 7 de julho de 2005, executado contra o transporte público londrino, que deixou mais de 50 mortos.

O Reino Unido está há meses no nível de alerta "severo", o que significa que um ataque de terrorista é considerado altamente provável. (Com as agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos