Jato de combate russo intercepta bombardeiro americano no mar Báltico

Do UOL, em São Paulo

  • Ints Kalnins/Reuters

    6.jun.2017 - Bombardeiro americano B-52 durante exercício anual da Otan próximo a Ventspils (Letônia)

    6.jun.2017 - Bombardeiro americano B-52 durante exercício anual da Otan próximo a Ventspils (Letônia)

A Rússia usou nesta terça-feira (6) um jato de combate para interceptar um bombardeiro americano B-52, com capacidade nuclear, que segundo os russos estava sobrevoando o mar Báltico próximo à sua fronteira, em um incidente com ecos da Guerra Fria. Os EUA não se pronunciaram sobre o incidente.

A aparição do B-52, um avião de longo alcance usado pela primeira vez nos anos 1950, exasperou Moscou, segundo relato da agência Reuters. Uma autoridade da Chancelaria russa afirmou que o avistamento da aeronave na Europa não ajudaria em nada para aliviar as tensões entre o Ocidente e a Rússia. Um ex-comandante das Forças Aéreas russas qualificou o incidente de "desrespeitoso". 

O sistema de defesa aérea russo detectou o B-52 por volta das 22h (horário de Moscou), enquanto sobrevoava águas neutras paralelas à fronteira russa. Foi enviado então um Sukhoi Su-27 para interceptar o bombardeiro americano, afirmou o Ministério da Defesa russo em uma nota. 

"A tripulação do Su-27 russo, tendo se aproximado a uma distância segura, identificou a aeronave como um bombardeiro estratégico americano B-52 e o acompanhou" até que mudasse de rota e saísse da área de fronteira, informou o comunicado. 

A Rússia informou que o Su-27 decolou da unidade de defesa área da Frota do Báltico, baseada em Kaliningrado.

É relativamente comum que membros da Otan interceptem aeronaves russas próximas aos seus espaços aéreos, mas é menos comum que a Rússia faça o mesmo. 

Segundo a agência de notícias russa Sputnik, o funcionário da Chancelaria russa Mikhail Ulyanov afirmou que os EUA transferiram uma série de B-52's de sua base na Louisiana para o Reino Unido para realizar exercícios militares. 

"O fato de que forças da Otan estão convergindo próximo às fronteiras da Rússia e realizando exercícios militares com apoio de bombardeiros estratégicos dos EUA com capacidade de carregar armas nucleares não ajudar a diminuir as tensões na Europa", afirmou Ulyanov, segundo a Sputnik.

As forças americanas estão realizando uma série de exercícios com a Estônia, a Letônia, a Lituânia, a Polônia e outros parceiros, como parte dos jogos de guerra Saber Strike. 

Os EUA também estão participando dos exercícios anusis de treinamento BALTOPS, no mar Báltico, que vão até 16 de junho. 

Pyotr Deinekin, ex-comandante da Força Aérea russa, disse à agência Interfax não ter memória da última vez que um B-52 sobrevoou o mar Báltico. 

"Tal comportamento não merece respeito", afirmou Deinekin.

Segundo ele, o B-52 foi destinado a atacar os pontos vitais de Moscou em um evento de guerra nuclear, quando a União Soviética ainda existia. 

"Bombardeiros estratégicos não deveriam voar tão perto das nossas fronteiras", disse. (Com a agência Reuters)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos