Muçulmanos "ignoram" guerra e realizam jantar comemorativo em meio a ruínas

Colaboração para o UOL

  • AFP/Getty Images

    Jantar comemorativo é realizado em meio a destroços na Síria

    Jantar comemorativo é realizado em meio a destroços na Síria

Fotos de um jantar comemorativo realizado nesta semana em meio a destroços no subúrbio de Douma, na Síria, viralizaram por redes sociais e foram compartilhadas como um símbolo de resiliência em meio à guerra que assola o país do Oriente Médio.

O evento em questão celebrava o iftar, nome dado à refeição ingerida à noite e com a qual se quebra o jejum diário durante o Ramadã (nono mês do calendário islâmico, durante o qual os muçulmanos não se alimentam da hora que acordam até o pôr do sol).

Este jantar costuma ser celebrado de maneira comunitária, reunindo grupos de muçulmanos de todas as idades e uso de muitas cores, num ambiente alegre. Foi o que se viu neste subúrbio rebelde de Damasco, como mostram as imagens divulgadas por ativistas. Chama atenção principalmente a quantidade de crianças sorridentes registrada.

A celebração ao ar livre foi organizada pela Fundação Adeleh, uma organização de caridade ligada a rebeldes, principalmente, da Turquia. "Normalmente teríamos sido cautelosos para hospedar esses eventos devido a ataques aéreos, mas estamos aproveitando o último cessar-fogo", disse um porta-voz do grupo à rede britânica BBC.

Um acordo que declarou o estabelecimento de quatro "zonas seguras" em toda a Síria foi negociado pela Rússia, Irã e Turquia no mês passado e vem sendo mantido durante o mês sagrado dos muçulmanos, colaborando para a diminuição da violência no país.

Douma sofreu ataques aéreos desde 2012, ano que marcou o início da guerra civil síria, e está cercada por forças pró-governo desde 2013. Atualmente, a cidade é controlada pelo grupo rebelde islâmico Jaish al-Islam.

No último mês de maio, um comboio de ajuda humanitária entrou na área pela primeira vez desde outubro de 2016. A guerra fez alimentos e remédios se tornarem escassos em Douma e aumentou exponencialmente o preço dos produtos.

Por causa do conflito, os moradores tiveram que celebrar o iftar em casa ou fechados em mesquitas nos últimos anos ao invés de irem para a rua e comemorarem juntos como manda a tradição. Mas isso, enfim, voltou a acontecer nesta semana.

"Não sei o quão confuso emocionalmente eu estaria se tivesse no lugar de alguma destas pessoas... Vida, apesar da morte, hoje em Douma", postou um médico sírio no Twitter.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos