PUBLICIDADE
Topo

"O inferno é aqui", "milagre", "cena apocalíptica": o que dizem os envolvidos na tragédia na Itália

Do UOL, em São Paulo*

14/08/2018 15h45Atualizada em 14/08/2018 19h39

"O inferno é aqui", disseram os bombeiros envolvidos no resgate das vítimas do desabamento de uma ponte em Gênova, no norte da Itália, nesta terça-feira (14). As equipes enfrentam alagamentos e chuvas fortes para tentar retirar as vítimas dos escombros. Várias equipes participam do resgate. Até o momento, autoridades estimam em 26 mortos e 14 feridos, mas dizem que o número pode subir porque as operações ainda estão em andamento.

Em entrevista ao jornal italiano "Corriere Della Sera", um motorista de caminhão contou que "não se lembra exatamente do acidente". "É um milagre. Ouvi um estrondo e voei para baixo. Estou vivo, mas meu caminhão ficou soterrado", relatou, enquanto caminhava em direção a uma ambulância com fratura no ombro e alguns ferimentos leves.

O motorista Alessandro Megna contou a uma rádio local que ele estava no trânsito abaixo da ponte e viu o acidente. "De repente, a ponte veio abaixo com tudo o que estava sobre ela. Foi uma cena apocalíptica. Eu não conseguia acreditar no que eu estava vendo."

Imagens aéreas registram destruição após queda de ponte na Itália

UOL Notícias

A queda do viaduto aconteceu por volta do meio-dia (7h em Brasília), quando um trecho da Ponte Morandi, de 1.182 metros de extensão e 90 metros de altura, veio abaixo, soterrando vários veículos sob os escombros. No local do acidente há várias equipes dos bombeiros, da defesa civil, da polícia municipal e profissionais de saúde que trabalham para retirar os escombros e resgatar possíveis sobreviventes.

A ponte passa sobre uma área urbana na qual há shoppings, edifícios residenciais, áreas industriais e outras vias de circulação. As causas do desabamento ainda são desconhecidas e, nas próximas horas, será aberta uma investigação para esclarecer o ocorrido. Por enquanto, a concessionária Austostrade per l'Italia, responsável pela gestão da rodovia, informou em comunicado que estava trabalhando nessa região para consolidar o pavimento do viaduto.

Não há vítimas brasileiras

O Itamaraty informou que, até o momento, não há cidadãos brasileiros entre as vítimas. A chancelaria brasileira informou ainda os telefones para auxílio: (+55) 61 2030 8803 e (+55) 61 2030 8804 (segunda a sexta-feira, das 8h às 20h), e pelo e-mail dac@itamaraty.gov.br. O consulado do Brasil em Milão pode ser contatado pelo telefone (+39) 02 777 107 1, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h30 (horário local), ou, em caso de urgência, pelo telefone de plantão: (+39) 335 727 8117.

(Com agências internacionais)

Notícias