PUBLICIDADE
Topo

Internacional

'Repassei convite de Trump', diz assessor sobre visita de Bolsonaro aos EUA

Bolsonaro posa para foto ao lado do assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton - Divulgação
Bolsonaro posa para foto ao lado do assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton Imagem: Divulgação

Marina Lang

Colaboração para UOL, no Rio

29/11/2018 08h16Atualizada em 29/11/2018 17h38

Um dos braços direitos do presidente americano Donald Trump, o assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, se reuniu na manhã desta quinta-feira (29) com o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL). Ele chegou à residência do capitão da reserva às 6h54 desta quinta-feira (29) para uma reunião que durou pouco mais de uma hora.

No fim do encontro, Bolton afirmou ter feito um convite a Bolsonaro para uma visita oficial a Trump nos EUA.

"Tive uma conversa muito ampla e produtiva com o presidente eleito do Brasil, Bolsonaro, e sua equipe de segurança nacional. Compartilhei um convite do presidente Trump para Bolsonaro visitar os EUA. Estamos ansiosos por uma parceria dinâmica com o Brasil", escreveu Bolton no Twitter

Bolsonaro também publicou na rede social, citando a reunião como "muito producente e grata".

O americano chegou à casa de Bolsonaro, na Barra da tijuca, zona oeste do Rio, meia hora depois de sua equipe de assessores e dez minutos após o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que chegou à residência do pai e mentor político às 6h46.

Leia também:

Bolton entrou sem falar com a imprensa. Ele chegou em uma comitiva de cinco carros escoltada pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar e por um helicóptero da Polícia Federal. Bolsonaro recebeu o americano na porta de casa e encaminhou o grupo para um café da manhã, quando todos se apresentaram. A reunião iniciou-se em seguida em outra sala.

Bolsonaro toma café com John Bolton, braço direito de Trump - Divulgação - Divulgação
Bolsonaro toma café com John Bolton, braço direito de Trump
Imagem: Divulgação

De acordo com a assessoria de Bolsonaro, os temas tratados no encontro são "confidenciais", mas Bolton estaria no Brasil com o intuito de aprofundar as relações comerciais e de segurança entre os dois países.

Após o encontro com Bolsonaro, que terminou às 7h59, a expectativa é de que Bolton siga para ao G20, na Argentina, a fim de se encontrar com Trump. Já o presidente eleito segue, ainda na manhã desta quinta, para a Vila Militar, onde haverá a formatura da Escola Superior de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Além do senador eleito, estavam presentes na reunião o futuro chanceler do governo Bolsonaro, Ernesto Araújo, o futuro ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e o general Augusto Heleno, que assumirá o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), além de membros da comitiva americana.

Reunião entre Trump e Bolton tratou de comércio e segurança - Divulgação - Divulgação
Reunião entre Trump e Bolton tratou de comércio e segurança
Imagem: Divulgação

Internacional