PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Milhares vão às ruas no Irã e pedem 'vingança' após ataque dos EUA

Do UOL, em São Paulo

03/01/2020 11h04Atualizada em 03/01/2020 14h13

Milhares de pessoas tomaram as ruas de Teerã, capital do Irã hoje, em protesto contra o ataque feito pelos Estados Unidos que matou o general Qasem Soleimani. As informações são da CNN.

Soleimani era chefe da Força Revolucionária da Guarda Quds do Irã e considerado um dos homens mais importantes do país.

As pessoas foram às ruas com cartazes com a foto do general e mensagens pedindo vingança contra os EUA.

O ataque

Ao menos oito pessoas, entre elas Soleimani, morreram na noite de ontem em um ataque com foguetes contra o aeroporto de Bagdá, no Iraque. A informação foi repassada em comunicado por um órgão dirigido pelas Forças Armadas. Três foguetes Katyusha caíram perto do terminal de cargas, queimando dois veículos e ferindo vários cidadãos, disseram os serviços de segurança após receberam relatos de funcionários do local — que pediram para não serem identificados por questões de segurança.

O pentágono afirmou que o ataque aconteceu "sob ordens do presidente" Donald Trump. "Os militares dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal dos EUA no exterior, matando Qasem Soleimani", afirmou em nota.

"Este ataque teve como objetivo impedir futuros planos de ataque iranianos. Os Estados Unidos continuarão a tomar todas as medidas necessárias para proteger nosso povo e nossos interesses, onde quer que estejam ao redor do mundo", concluiu.

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, publicou uma imagem com a bandeira do país.

O ataque aéreo também teria vitimado Abu Mahdi al-Muhandis, comandante de milícia do Iraque, apoiada pelo Irã. A milícia da qual ele fazia parte também atribuiu a morte aos EUA.

Naim Qassem, segundo na linha de comando do Hezbollah no Líbano, também seria uma das vítimas.

A Guarda Quds é uma força de elite do exército iraniano e teria sido responsável pela invasão da Embaixada dos EUA, em Bagdá, no início desta semana.

O Irã nega participação na invasão. Analistas internacionais afirmam que a morte de Soleimani é maior do que a de Osama Bin Laden. Ele havia entrado na lista de 50 pessoas que moldaram a década feita pelo jornal Financial Times.

Foto mostra veículo destruído - AFP/HO/IRAQI MILITARY - AFP/HO/IRAQI MILITARY
Foto mostra veículo destruído perto de onde o comboio do general iraniano Qasem Soleimani foi alvo de ataque de drone dos EUA quando deixava o aeroporto de Bagdá, no Iraque
Imagem: AFP/HO/IRAQI MILITARY

Quem era Soleimani

O general Soleimani, 62, liderava a força Al-Quds dos Guardiões da Revolução, encarregada das operações no exterior. Era visto como um herói no Irã e exercia um papel-chave nas negociações políticas para formar um governo no Iraque.

Soleimani, um dos principais personagens do combate às forças jihadistas na região, tinha uma atuação fundamental no reforço da influência diplomática de Teerã no Oriente Médio, especialmente no Iraque e na Síria.

Após se manter discreto durante décadas, Soleimani começou a aparecer nas manchetes dos jornais depois do início da guerra na Síria, em 2011, onde o Irã apoia o regime do presidente Bashar al Assad.

Ataque dos EUA mata general iraniano em Bagdá

AFP

EUA emitem nota

O Departamento de Defesa dos EUA emitiu um comunicado oficial e afirmou que "sob ordens do presidente, os militares dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal dos EUA no exterior, matando Qasem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Islâmica Corps-Quds Force, uma organização terrorista estrangeira designada pelos EUA".

Segundo a nota, "Soleimani estava desenvolvendo planos para atacar diplomatas americanos e membros do serviço no Iraque e em toda a região". O ataque, segundo os EUA, teve como objetivo "impedir futuros planos de ataque iranianos".

Poucas horas depois da morte de Soleimani a embaixada dos Estados Unidos em Bagdá, que na terça-feira foi alvo de um ataque por uma multidão pró-Irã, recomendou a seus cidadãos que deixem o Iraque "imediatamente".

A representação diplomática pediu aos americanos no Iraque que deixem o país "de avião enquanto é possível", já que o bombardeio aconteceu no aeroporto de Bagdá, ou "sigam para outros países por via terrestre".

Após morte do general, iranianos vão às ruas protestar contra os EUA

UOL Notícias

Reações ao ataque e alta dos preços do petróleo

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, qualificou o ataque de "escalada extremamente perigosa e imprudente" deflagrada por Washington.

Mohsen Rezai, um antigo chefe dos Guardiões da Revolução, declarou que "Soleimani se uniu a nossos irmãos mártires e nossa vingança sobre a América será terrível". "Uma reunião extraordinária do Conselho Supremo de Segurança Nacional foi convocada para as próximas horas para discutir o ataque...", anunciou o porta-voz Keyvan Koshravi, citado pela agência estatal Isna.

Após a divulgação da notícia da morte do general, os preços do petróleo subiram mais de 4% nos mercados asiáticos nesta sexta-feira.

* (Com agências internacionais)

Internacional