PUBLICIDADE
Topo

"O Irã nunca terá uma arma nuclear", diz Trump

Ataque aéreo em aeroporto de Bagdá que culminou na morte de general iraniano foi ordenado pessoalmente pelo presidente americano Donald Trump - EPA-CRISTOBAL HERRERA
Ataque aéreo em aeroporto de Bagdá que culminou na morte de general iraniano foi ordenado pessoalmente pelo presidente americano Donald Trump Imagem: EPA-CRISTOBAL HERRERA

Do UOL, em São Paulo

06/01/2020 12h07Atualizada em 06/01/2020 20h21

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou hoje que "o Irã nunca terá uma arma nuclear". A afirmação foi feita pelo republicano em seu perfil no Twitter.

Após o assassinato do general Qassim Suleimani pelos Estados Unidos na sexta-feira (3), o Irã ameaça recuar no compromisso de abandonar seu programa nuclear. A decisão significará o quinto recuo iraniano, informou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Abbas Mousavi, segundo a agência de notícias AFP.

O acordo nuclear foi assinado em 2015 pelo Irã, Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha, as principais potências mundiais. Sob Donald Trump, no entanto, os Estados Unidos abandonaram o acordo unilateralmente em 2018.

Assim que deixou o tratado, Trump impôs uma série de sanções ao Irã, que passou a descumprir pontos do acordo, provocando alerta na comunidade internacional. Em novembro, o Irã retomou o enriquecimento de urânio na usina subterrânea de Fordo.

Hoje, Trump voltou a afirmar que, caso o Irã ataque os Estados Unidos para vingar a morte de Suleimani, os EUA não hesitarão em atacar bens culturais do país. Falando a repórteres a bordo do Air Force One, Trump declarou que os Estados Unidos "têm 52 alvos iranianos, alguns em um nível muito alto e importantes para o Irã e a cultura iraniana"

O chanceler iraniano criticou a ameaça de Trump. "Você já tinha visto um mar de humanidade em sua vida, Trump? Você ainda vai ouvir aos seus conselheiros palhaços na nossa região? E você acredita que pode acabar com a vontade dessa grande nação e seu povo?", disse Javad Zarif também no Twitter.

O que diz o acordo nuclear?

O plano foi construído a duras penas pelo antecessor de Trump, Barack Obama. Na ocasião, Teerã se comprometeu a limitar seu programa nuclear, enquanto a comunidade internacional aliviou as sanções econômicas impostas à república islâmica. Desde então, a resolução funcionou bem, com todos os países envolvidos cumprindo sua parte.

No plano, o Irã se comprometia a reduzir o enriquecimento do urânio a uma porcentagem considerada segura pelos órgãos internacionais, suspendendo as atividades em uma de suas instalações e reduzindo suas reservas de urânio em 98% ao longo de 15 anos.

Além disso, o texto prevê monitoramento pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), da ONU (Organização das Nações Unidas). Em troca, os EUA e países europeus revogaram uma série de sanções econômicas que vinham sendo feitas ao país.

O plano se restringe ao enriquecimento de urânio para fins nucleares, mas não toca em pontos nevrálgicos como mísseis balísticos, grupos terroristas e influência em conflitos de países do Oriente Médio.

No começo da semana —antes do atentado ao general—, o presidente iraniano, Hassan Rohani, pediu aos Estados Unidos que admitissem o erro de terem abandonado o compromisso.

"Eles têm que voltar ao primeiro ponto, quando pisaram nos compromissos, e precisam admitir que erraram sobre a nação iraniana", afirmou Rohani em discurso na cidade de Ardebil.

Entenda as consequências do ataque que matou general do Irã

Band Notí­cias

Internacional