PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: O drama de 3.700 pessoas presas em cruzeiro após 61 infectados

O navio Diamond Princess está atracado em Yokohama, no Japão - REUTERS/Kim Kyung-Hoon
O navio Diamond Princess está atracado em Yokohama, no Japão Imagem: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

07/02/2020 12h23

Resumo da notícia

  • Na costa do Japão, passageiros estão em quarentena dentro de um navio
  • Eles e os tripulantes ficarão na embarcação até 17 de fevereiro
  • Do total, 61 pessoas deram positivo e foram retiradas e levadas para tratamento

A viagem dos sonhos se transformou em pavor para 2.600 pessoas. Esses passageiros e outros 1.100 tripulantes de um cruzeiro marítimo estão presos em quarentena dentro de um navio na costa do Japão depois que 61 pessoas foram diagnosticadas com o novo coronavírus.

Diamond Princess (Princesa de Diamante em tradução livre) é o nome da embarcação com 3.700 pessoas a bordo. Ele está atracado na costa de Yokohama, perto da capital Tóquio, desde terça-feira (4), quando o teste de um antigo passageiro deu positivo.

Um homem de Hong Kong, que embarcou no mês passado, foi diagnosticado seis dias depois de deixar o navio. Como ele não apresentou sintomas de coronavírus durante sua estadia, as autoridades fizeram o teste em todos a bordo, diagnosticando 61 pessoas positivamente.

Embora os infectados tenham sido retirados do navio, quem ficou também entrou em quarentena: além das autoridades médicas, ninguém entra e ninguém sai do cruzeiro até o dia 17 de fevereiro, informou reportagem da rede norte-americana CNN.

A americana Sawyer Smith, 25, seu irmão e seus avós, ambos com 80 anos, precisam ficar presos em uma cabine de 12 metros quadrados. "Não temos janela, somos quatro pessoas e apenas uma cadeira", lamentou ela à agência de notícias Reuters por telefone.

Enquanto os idosos passam grande parte do tempo lendo, os outros membros da família se distraem assistindo a filmes. O clima, no entanto, é tenso para a maioria dos passageiros.

A autora americana Gay Courter também está entre os mais de 2.600 viajantes do Diamond Princess, uma "prisão contaminada", de acordo com ela.

"[Meu marido Philip e eu] temos 75 e 77 anos. Temos a saúde frágil e temos uma faixa etária ruim para adoecer (...) Não estamos seguros em nossos quartos", disse ela à CNN.

Agentes com equipamento de proteção entram no navio Diamond Princess - REUTERS/Kim Kyung-Hoon - REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Agentes com equipamento de proteção entram no navio Diamond Princess
Imagem: REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Os idosos são especialmente suscetíveis ao coronavírus. Segundo a Comissão Nacional de Saúde da China, 80% dos mortos no país tinham mais de 60 anos.

Courter chegou a pedir à sua companhia de seguros que a tirasse de lá, mas os governos do Japão dos Estados Unidos —origem de 428 passageiros— impediram.

"Foi uma viagem única e usei todos os pontos do meu cartão de crédito. A saída foi divina, mas agora não me importo com o modo como vou para casa", afirmou Courter, que teme não sobreviver. "Eu só não quero voltar para casa em um caixão", afirmou.

Quem precisou deixar o navio foi Rebecca Frasure, 35, diagnosticada hoje de manhã. Embora tenha viajado com o marido, Kent Frasure, 42, apenas ela deixou o Diamond Prinicess para tratamento.

"É terrível, eu nunca poderia imaginar que isso aconteceria agora", disse ela à CNN pouco antes de deixar o barco. "[A parte mais difícil] é o desconhecido. Eu não sei o que vai acontecer daqui a uma hora."

O casal Rebecca e Kent Frasure; ela foi diagnosticada com coronavírus - CNN/Arquivo Pessoal - CNN/Arquivo Pessoal
O casal Rebecca e Kent Frasure; ela foi diagnosticada com coronavírus
Imagem: CNN/Arquivo Pessoal
Outros dois navios em quarentena

Além do Diamond Princess, outros dois cruzeiros na Ásia tiveram suas viagens interrompidas pelo vírus. No mar da China Oriental, o navio Westerdam está lutando para encontrar um porto para atracar depois de ter sido afastado de Taiwan e Japão por medo da contaminação.

Até agora, no entanto, não há confirmação sobre passageiros doentes, atuais ou antigos.

Em Hong Kong, o navio World Dream também está em quarentena desde que atracou na quarta-feira (5), quando os testes de oito ex-passageiros deram positivo para o vírus.

O Departamento de Saúde de Hong Kong disse que todos os viajantes teriam de permanecer a bordo até "concluirmos o trabalho de quarentena".

Ao todo, 33 membros da tripulação apresentaram sintomas de doença em graus variados, embora a maioria tenha tido resultados negativos para o coronavírus.

Recém-nascidos são infectados por coronavírus na China

redetv

Internacional