PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Esse conteúdo é antigo

Vírus coloca robôs na linha de frente de hospitais chineses

6.fev.2020 -Pacientes infectados com o novo coronavírus são atendidos em um hospital improvisado em um centro de exposições em Wuhan, onde o vírus foi primeiramente identificado e se espalhou  - Xiong Qi/Xinhua
6.fev.2020 -Pacientes infectados com o novo coronavírus são atendidos em um hospital improvisado em um centro de exposições em Wuhan, onde o vírus foi primeiramente identificado e se espalhou Imagem: Xiong Qi/Xinhua

Kari Soo Lindberg

Da Bloomberg

07/02/2020 11h24

O surto do novo coronavírus, que tem levado a comunidade médica chinesa à exaustão, também fez com que hospitais do país acelerassem o uso de robôs como assistentes médicos.

Os bots de telepresença que permitem comunicação remota por vídeo, monitoramento da saúde do paciente e entrega segura de medicamentos aumentam nos hospitais da China urbana. Agora, esses robôs agem como intermediários seguros para ajudar a conter a propagação do coronavírus.

A Keenon Robotics, empresa com sede em Xangai, enviou 16 robôs de um modelo apelidado de "pequeno amendoim" a um hospital em Hangzhou, depois que um grupo de pessoas que viajou de Wuhan a Singapura foi colocado em quarentena. A Siasun Robot and Automation doou sete robôs médicos e 14 robôs de serviço de catering à Cruz Vermelha de Shenyang para ajudar hospitais a combater o vírus, segundo comunicado de imprensa publicado no site da empresa. Keenon e Siasun não responderam imediatamente aos pedidos de comentário. A JD.com testa o uso de robôs de entrega autônomos em Wuhan, informou a empresa em comunicado.

Segundo a mídia local, robôs estão sendo usados em hospitais da cidade e também em Guangzhou, Jiangxi, Chengdu, Pequim, Xangai e Tianjin.

A rápida propagação do coronavírus deixou hospitais provinciais sobrecarregados e ajudou a acelerar a adoção de robôs como solução, transformando as máquinas em assistentes médicos. Esses bots reforçam a resposta tecnológica da China ao surto do coronavírus, que também inclui drones e aplicativos de trabalho remoto. Ainda não se sabe a eficácia dessas táticas de combate.

O rápido desenvolvimento de redes sem fio de quinta geração na China em áreas próximas a hospitais urbanos também levou ao aumento de robôs médicos movidos a 5G - equipados com câmeras que permitem comunicação remota por vídeo e monitoramento de pacientes. Esses modelos contrastam com robôs como o "pequeno amendoim", cuja principal função é fazer entregas em ambientes fechados.

"A tecnologia dos robôs usados em hospitais chineses não é alta, mas o que esse vírus também está destacando - e pode ser o próximo estágio dos robôs chineses - é o uso de robôs médicos", disse Nikkie Lu, analista da Bloomberg Intelligence.

A China Mobile doou um robô 5G para o Wuhan Union Hospital e outro para o hospital Tongji Tianyou esta semana, de acordo com reportagem do ThePaper.cn. Utilizando a rede 5G, esses bots assistentes carregam um tanque desinfetante a bordo e serão usados para limpar com segurança áreas hospitalares ao longo de uma rota predeterminada, reduzindo o risco para a equipe médica.

O Hospital Zhejiang usou um robô 5G para diagnosticar seu primeiro paciente de coronavírus no domingo, segundo relatório do centro de notícias de Hangzhou, administrado pelo Escritório de Informação do Conselho de Estado. O Hospital Jishuitan de Pequim realizou uma cirurgia remota em um paciente na província de Shandong através da rede 5G da China Telecom em junho passado.

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Saúde