PUBLICIDADE
Topo

Motorista avança caminhão contra manifestação antirracista nos EUA

O motorista acelerou contra a multidão que protestava ajoelhada - Reprodução/Fox
O motorista acelerou contra a multidão que protestava ajoelhada Imagem: Reprodução/Fox

Do UOL, em São Paulo

31/05/2020 21h00

Um protesto em Minneapolis, nos Estados Unidos, foi interrompido por um motorista acelerando seu caminhão em direção a uma multidão de milhares de manifestantes.

A manifestação acontecia na ponte I-35W, e estava pacífica. Em vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ver a multidão correndo para não ser atropelada.

De acordo com o Departamento de Segurança Pública de Minneapolis, o único ferido foi o motorista do veículo — ele foi preso e encaminhado a um hospital com ferimentos leves.

"Ações muito perturbadoras da parte de um motorista de caminhão na I-35W, avançando contra uma multidão de manifestantes pacíficos. O motorista se machucou e foi levado ao hospital com ferimentos não letais. Ele está preso. Aparentemente, nenhum manifestante foi atingido pelo caminhão", diz publicação do órgão.

O protesto era contra o racismo e a brutalidade policial no país. As mobilizações começaram após a morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos que morreu após uma ação da polícia na segunda-feira (25), em Minneapolis.

No momento do ataque, os manifestantes estavam ajoelhando em protesto — Floyd morreu asfixiado após um policial pressionar o joelho contra seu pescoço por 10 minutos, enquanto a vítima avisava que não conseguia respirar.

Ontem, uma viatura empurrou uma grade contra manifestantes em Nova York. No vídeo, é possível ver algumas pessoas sendo derrubadas e outras subindo no carro:

O prefeito da cidade defendeu os policiais, afirmando que, em sua opinião, eles "não iniciaram a situação":

"É inapropriado da parte dos manifestantes cercarem um veículo da polícia e ameaçarem os policiais. Isso é evidentemente errado e nunca aconteceu na história dos protestos desta cidade", afirmou Bill de Blasio.

Mesmo assim, ele garantiu que uma investigação será aberta sobre o caso.

Internacional