PUBLICIDADE
Topo

George Floyd tinha sido contaminado pelo coronavírus, revela autópsia

Graffiti na Alemanha homenageia George Floyd, que morreu em ação policial após dizer "Não consigo respirar" - Abdulhamid Hosbas/Anadolu Agency via Getty Images
Graffiti na Alemanha homenageia George Floyd, que morreu em ação policial após dizer 'Não consigo respirar' Imagem: Abdulhamid Hosbas/Anadolu Agency via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

03/06/2020 23h12

A autópsia de George Floyd, morto após ter o pescoço pressionado pelo policial Derek Chauvin, revelou que o homem havia contraído o coronavírus e chegou a receber o diagnóstico da doença no dia 3 de abril —ele morreu em 25 de maio, no hospital, após ser asfixiado por um policial branco.

A informação foi publicada por veículos de imprensa como a CNN, dos EUA, e a respeitada agência de notícias AP (Associated Press). A morte de Floyd em uma ação da polícia fez com que os agentes envolvidos fossem presos e acusados formalmente. Por se tratar de um homem negro, protestos contra o racismo eclodiram em diferentes países.

Ao policial branco (Derek) que pressionava seu pescoço, Floyd disse que não conseguia respirar. Porém, ressalta-se que por enquanto não há evidência concreta de que a covid-19 tenha contribuído para sua morte; ele não apresentava sintomas da doença.

A autópsia de 20 páginas também revelou que Floyd tinha uma doença cardíaca e um histórico de problemas com pressão alta; além disso, o relatório toxicológico preliminar apontou vestígios moderados de metanfetamina e fentanil (um tipo de opioide usado para dor).

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi escrito na primeira versão do texto, George Floyd foi assassinado em 25 de maio, e não em 3 de maio. O erro foi corrigido.

Internacional