PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

Família de Donald Trump entra na Justiça para suspender livro de sobrinha

Presidente dos EUA, Donald Trump, em Dallas -
Presidente dos EUA, Donald Trump, em Dallas

Do UOL, em São Paulo

23/06/2020 23h11

A família do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entrou hoje na Justiça para suspender a publicação de um livro feito por Mary Trump, sobrinha do empresário. A informação foi confirmada pelo advogado dela à NBC News.

A editora Simon & Schuster descreve a obra, chamada de "Too Much and Never Enough: How My Family Created the World's Most Dangerous Man" ("Muito e Nunca Suficiente: Como Minha Família Criou o Homem Mais Perigoso do Mundo", em tradução livre), como um "retrato revelador e autoritário de Donald J. Trump e da família tóxica que o criou".

"O presidente Trump e seus irmãos estão tentando suprimir um livro que discutirá assuntos de extrema importância pública. Eles estão buscando essa restrição prévia ilegal porque não querem que o público saiba a verdade", disse Ted Boutros, advogado de Mary Trump, em comunicado.

"Os tribunais não tolerarão essa violação descarada da Primeira emenda", acrescentou o advogado. O livro está previsto para ser lançado no dia 28 de julho.

"Ela não tem permissão para escrever um livro", disse Trump, em entrevista para a Axios, falando ainda que Mary assinou um compromisso de que não poderia falar nada.

Mary Trump e seu irmão, Fred Trump III, estiveram envolvidos em uma briga judicial sobre a propriedade do avô em 2000, informou o New York Daily News na época.

O pai de Mary e Fred, Fred Trump Jr., morreu em 1984, e eles disseram que foram enganados em seu testamento graças às maquinações da família.

A briga no tribunal incluiu alegações de que Donald Trump e seus dois irmãos cortaram a cobertura médica da família para Mary e seu irmão, que era casado e tinha um filho pequeno com um distúrbio neurológico, lembrou a NBC.

A disputa foi resolvida em um acordo confidencial, que o presidente disse, no fim de semana passado, que incluía um acordo de confidencialidade "muito poderoso".

Internacional