PUBLICIDADE
Topo

Internacional

EUA: Homem é preso acusado de tentar fraudar voto do governador da Flórida

Governador da Flórida, Ron DeSantis, contatou o Departamento de Justiça ao perceber que endereço estava errado - Joe Raedle/Getty Images
Governador da Flórida, Ron DeSantis, contatou o Departamento de Justiça ao perceber que endereço estava errado Imagem: Joe Raedle/Getty Images

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/10/2020 17h26

Um homem foi preso ontem no estado da Flórida, nos EUA, após mudar o endereço eleitorial do governador do estado, Ron deSantis. Anthony Guevara, autor do crime, foi indiciado por dois crimes contra a propriedade e alteração do registro de eleitor sem conhecimento ou consentimento.

As eleições americanas, com divulgação de resultado esperado para o próximo dia 3, podem ser feitas por correio. De acordo com um relatório da polícia do condado de Collier, o governador da Flórida tentou votar em casa, mas percebeu que o endereço para receber a cédula de voto havia sido alterado para um apartamento em West Palm Beach.

De acordo com o canal local WPTV, deSantis, que não havia autorizado a mudança, entrou em contato com o Departamento de Justiça do estado, que logo iniciou as investigações.

Uma revisão dos registros do banco de dados eleitoral apontou que a mudança de endereço foi solicitada de um endereço IP atribuído à casa de Anthony Guevara, na cidade de Nápoles.

Agentes especiais do Departamento de Justiça, em conjunto com deputados do condado de Collier, executaram um mandado de busca na casa do jovem de 20 anos, suspeito de fraude eleitoral, e encontraram provas incriminadoras no computador dele.

Pesquisas no Google como: "meu voto na Flórida" e "governador da Flórida" foram descobertas, no histórico do computador. Os investigadores, então, concluíram que Anthony visitou as páginas de deSantis na Wikipédia e, em seguida, acessou a plataforma eleitoral da Flórida.

Anthony, no final das contas, não foi indiciado por fraude eleitoral; mas sofrerá um processo criminal por dois crimes contra a propriedade e alteração do registro de eleitor, todos eles com multa e pena máxima de 5 mil dólares (R$ 28,7 mil) e 5 anos de prisão, respectivamente.

Crimes eleitorais são raros nos EUA. Dos mais de 250 milhões de votos lançados pelo correio por todo o país nos últimos 20 anos, apenas 143 foram identificados como fraudulentos, de acordo com o site "NPR". O número representa uma taxa de 0.00006%.

Internacional