PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Meio-oeste e Pensilvânia devem decidir eleições dos EUA

Carolina Marins, Lucas Borges Teixeira e Marcelo Tuvuca Freire

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL, em São Paulo

04/11/2020 03h02

Com o avanço na apuração da eleição presidencial dos Estados Unidos, o resultado deve ficar ligado basicamente a quatro estados: Michigan (que conta com votos de 16 delegados), Wisconsin (10), Pensilvânia (20) e Arizona (11). Todos eles foram vencidos pelo presidente Donald Trump em 2016, garantindo a vitória do republicano sobre a democrata Hillary Clinton, mas podem mudar de lado nesta eleição.

Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, com uma contagem mais lenta dos votos, ainda permanecem indefinidos até as 3h desta quarta (4). O Arizona, no entanto, já tem 79% dos votos apurados e uma vantagem de 8,6 pontos percentuais para Biden, segundo a imprensa norte-americana.

O candidato democrata também lidera no 2º distrito do Nebraska —estado que divide de maneira mais proporcional seus delegados do Colégio Eleitoral. Quem vencer nesse distrito, que Trump também faturou em 2016, leva mais 1 delegado.

Com isso, algumas combinações de vitórias nesses resultados podem garantir a eleição para Trump ou Biden —quem somar 270 delegados entre os 538 do Colégio Eleitoral será o próximo presidente.

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as projeções da imprensa são relevantes na divulgação da conquista dos delegados.

Segundo as projeções feitas pelo jornal The New York Times até as 3h desta quarta (4), quase 40 estados já estavam com os resultados definidos. Dez estados ainda estavam indefinidos —alguns deles, no entanto, já indicavam um vencedor, como Arizona para Biden, e Texas e Carolina do Norte para Trump.

Pelas projeções, Biden já vence em 17 estados e a capital Washington D.C. Com isso, o democrata soma 213 votos no Colégio Eleitoral, contra 174 de Trump em 22 estados. São necessários 270 delegados para ganhar a eleição.

Apuração até então, segundo o NYT:

  • Biden - 223 votos: Califórnia, Colorado, Connecticut, Delaware, Havaí, Maryland, Massachussets, Minnesota, New Hampshire, Nova Jersey, Nova York, Novo México, Oregon, Rhode Island, Vermont, Virginia, Washington e Washington D.C.
  • Trump - 174 votos: Alabama, Arkansas, Carolina do Sul, Dakota do Norte, Dakota do Sul, Flórida, Idaho, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska (1º distrito), Ohio, Oklahoma, Tennessee, Utah, Virgínia Ocidental e Wyoming

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as agências de notícias AFP, AP e Fox fazem extrapolações estatísticas e apontam os vencedores por estado. Isso pode gerar distorções momentâneas na aferição dos votos, mas não compromete o resultado final da eleição.

Internacional