PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

EUA: Suprema Corte rejeita pedido de Trump e mantém resultados em 4 estados

Trump foi derrotado em outra ação para mudar resultado das eleições nos EUA - NurPhoto/NurPhoto via Getty Images
Trump foi derrotado em outra ação para mudar resultado das eleições nos EUA Imagem: NurPhoto/NurPhoto via Getty Images

Do UOL, em São Paulo*

11/12/2020 21h11

A Suprema Corte dos EUA rejeitou o processo movido pelo procurador-geral do Texas, Ken Paxton, que buscava anular os resultados nos estados da Pensilvânia, Geórgia, Michigan e Wisconsin, todos vencidos pelo candidato democrata Joe Biden.

O presidente dos EUA, Donald Trump, entrou como parte no processo para tentar impugnar milhões de votos nesses quatro estados. Além dele, 18 estados e 126 parlamentares entraram na ação.

A tentativa buscava alterar o resultado, que dá a vitória a Biden nas eleições. O democrata terá 306 votos no colégio eleitoral contra 232 do republicano. O colégio eleitoral irá se reunir na segunda-feira (14) para oficializar o triunfo de Biden.

Na decisão de hoje, a Suprema Corte alega que ação movida por Paxton "não demonstrou judicialmente" razões que provem o erro de conduta nas eleições nos quatro estados citados.

Os nove integrantes da corte, entre eles três nomeados pelo presidente, concluíram que o Texas não tem o direito de interferir na organização das eleições em outros estados. Trump, que não reconhece a derrota eleitoral, havia estimado que esse recurso era "muito sólido" ao intervir pessoalmente no caso.

Mais uma derrota judicial

Para a imprensa americana, a rejeição é um sinal claro de que Donald Trump não deve conseguir reverter no âmbito judicial o resultado da eleição. Nas últimas semanas, o presidente tentou com várias ações reverter a decisão, tanto nas esferas estaduais quanto na nacional, mas não teve sucesso. Apenas nesta semana a candidatura teve derrotas judiciais em outros quatro processos movidos nos estados da Pensilvânia, Nevada, Michigan e Geórgia.

Na terça-feira, a Suprema Corte já havia rejeitado, por unanimidade, um recurso movido por aliados de Trump na Pensilvânia para suspender a certificação da vitória de Biden no estado. Em Nevada, o recurso da campanha foi rejeitado por falta de provas de que houve algum tipo de fraude eleitoral nos votos recebidos — mesmo argumento apontado por um tribunal inferior na última semana. Caso semelhante ocorreu em Michigan e Geórgia, onde os juízes não consideraram haver evidências das acusações apresentadas.

Na quarta-feira, ao anunciar que havia se associado ao pedido do procurador-geral do Texas, Trump afirmou que houve fraude nas eleições, mas não apresentou provas.

Desde 3 de novembro, o republicano alega, sem apresentar provas, que houve fraudes no processo eleitoral que deu a vitória a Biden. Mas Trump já perdeu oficialmente, com a certificação em cada estado, no colégio eleitoral — em placar que ficou em 306 a 232 para o democrata. No voto popular, Biden teve mais de sete milhões de votos de vantagem sobre o atual presidente.

Após todos os estados protocolarem formalmente o resultado da eleição presidencial, o Colégio Eleitoral deve, na segunda-feira, eleger oficialmente Joe Biden como o próximo presidente americano

(*Com ANSA e AFP)

Internacional