PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Granada comprada em loja de antiguidades explode e mata garoto de 12 anos

Garoto de 12 anos morreu depois que granada comprada em loja de antiguidades explodiu  - Reprodução/Twitter/Charlotte
Garoto de 12 anos morreu depois que granada comprada em loja de antiguidades explodiu Imagem: Reprodução/Twitter/Charlotte

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/01/2021 17h13

Uma granada comprada em um centro comercial de antiguidades na cidade de Shallotte, nos Estados Unidos, explodiu e matou uma criança de 12 anos, no dia 23 do mês passado, segundo a polícia local. O objeto ainda estava quimicamente ativo e era um modelo Mk 2, usado na Segunda Guerra Mundial.

De acordo com a CNN Internacional, outras pessoas podem ter comprado mais explosivos. A ATF (Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos) pediu que os possíveis compradores procurem o órgão, pois os objetos podem "conter explosivos vivos e serem perigosos ao público".

Ainda de acordo com a agência, quando a granada foi vendida, em junho de 2020, tanto vendedor quanto comprador não tinham noção do que estava prestes a acontecer. Eles não acreditaram que "as granadas funcionassem ou fossem perigosas".

Em um comunicado, o centro comercial de antiguidades Fancy Flea Antique Mall disse que "havia apenas uma outra granada vendida no dia seguinte pelo mesmo vendedor", que "lamentava muito que isso [a morte do jovem] tivesse ocorrido".

Um legista confirmou que a causa do óbito do garoto, identificado como Asher Hurley, foi acidental. Não se sabe se foi ele quem realizou a compra do explosivo.

O jornal The New York Times afirma que as autoridades podem não ser capazes de determinar o número exato de granadas vendidas, pois as comercializações foram feitas em dinheiro durante uma alta temporada comercial no verão.

Internacional