PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Menino de 12 anos empilha 693 blocos de Jenga e vai para o Guinness; vídeo

Auldin no instante em que coloca o último bloco na torre e realiza seu sonho - Reprodução/Facebook/Guinness World Records
Auldin no instante em que coloca o último bloco na torre e realiza seu sonho Imagem: Reprodução/Facebook/Guinness World Records

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/01/2021 09h46

Um garoto canadense de 12 anos realizou o sonho de entrar para o Livro dos Recordes, após empilhar 693 tijolos de Jenga em uma torre. O feito, realizado em novembro, foi reconhecido pelo Guinness na sexta-feira (22) e estará na próxima edição do Livro.

Auldin Maxwell sonhava em quebrar algum recorde mundial desde os seis anos. Horas e horas de prática com o jogo Jenga, de empilhamento de peças, permitiram que o menino do sétimo ano do ensino fundamental alcançasse o objetivo.

Confiante que conseguiria superar o recorde anterior, de 485 peças, Auldin já tinha até um plano para como montaria a torre: "Eu criei diferentes padrões no solo do que eu poderia fazer, e então testei e verei quais funcionam e quais podem suportar mais as coisas."

Nervoso pela tentativa oficial, em frente às câmeras para comprovar o feito, Auldin começou a torre usando blocos de 54 peças sobre um único tijolo posicionado na vertical. "Meu coração estava batendo forte", revelou o menino, que demorou três horas para terminar a obra.

No final das contas, o nervosismo não superou a preparação de Auldin. Ele conseguiu empilhar 693 blocos, superando o recorde anterior, e comemorou a missão cumprida derrubando a torre com duas edições do Livro dos Recordes.

Então, bastou enviar a gravação do feito para que o Guinness reconhecesse a marca e colocasse o nome do garoto onde ele sempre sonhou em estar; assista ao vídeo em velocidade aumentada:

Após dois meses de espera, o reconhecimento veio. "Fiquei muito feliz porque meu sonho provavelmente se tornou realidade", disse Auldin para a rádio local CBC. O garoto também revelou que, apesar de ter derrubado a torre, guardou a última peça utilizada na construção para lembrar-se para sempre do feito.

Murray Maxwell, mãe de Auldin, celebrou o recorde tanto quanto ele. Para ela, as dificuldades de interação social que o garoto tem devido ao transtorno do espectro do autismo de alguma maneira o auxiliaram na empreitada.

"Todos os comportamentos restritivos valeram a pena para ele", afirmou a mãe.

Internacional