PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Governo brasileiro cumprimenta Lasso, eleito presidente do Equador

11.abr.2021 - Guillhermo Lasso comemora vitória na eleição presidencial do Equador - Maria Fernanda Landin/Reuters
11.abr.2021 - Guillhermo Lasso comemora vitória na eleição presidencial do Equador Imagem: Maria Fernanda Landin/Reuters

Do UOL, em São Paulo

12/04/2021 14h05

O governo brasileiro cumprimentou hoje o ex-banqueiro conservador Guillermo Lasso, que venceu a eleição presidencial no Equador ontem ao derrotar o candidato da esquerda Andrés Arauz, pupilo do ex-presidente socialista Rafael Correa.

"O Governo brasileiro felicita o povo equatoriano pela realização do segundo turno das eleições presidenciais ontem, 11 de abril, e cumprimenta os senhores Guillermo Lasso e Alfredo Borrero, eleitos, respectivamente, Presidente e Vice-Presidente da República do Equador", diz a nota divulgada pelo Itamaraty.

"Ao salientar o clima de harmonia e tranquilidade em que transcorreu a consulta popular, o Governo brasileiro aproveita a oportunidade para saudar o papel dos observadores eleitorais independentes, em especial da Missão de Observação da OEA, que contribuíram para assegurar a legitimidade do sufrágio", acrescenta o comunicado.

Em outubro do ano passado, quando ocorreram eleições na Bolívia, o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) só parabenizou Luis Arce pela vitória após confirmação oficial. Todos os outros quatro países que fazem fronteira com a Bolívia já tinham parabenizado o então candidato do Movimento Para o Socialismo (MAS), já que projeções feitas o apontavam como vencedor.

Quem é Guillermo Lasso?

Ex-banqueiro e integrante da Opus Dei, mas sobretudo anticorreísta, Guillermo Lasso, 65 anos, conquistou o poder para a direita conservadora no Equador depois de superar duas derrotas nas urnas que pareciam ter acabado com sua carreira política.

O conservador ficou em segundo lugar no primeiro turno de 7 de fevereiro, mas se recuperou no segundo turno e venceu com pelo menos 52,51% dos votos. Antes do fim da apuração, o rival admitiu a derrota.

"Há anos sonho com a possibilidade de servir aos equatorianos para que o país progrida, para que todos possamos viver melhor. Hoje, vocês decidiram que isto aconteça", afirmou no discurso da vitória em Guayaquil. No dia 24 de maio, ele assumirá o poder.

Uma pessoa que trabalha com Lasso o descreve como muito fiel, mas flexível. "Há alguns anos está abrindo sua mente e respeitando as decisões de outras pessoas além do que possa pensar", disse a fonte, sob anonimato.

"Além disso, ele é um homem muito inteligente, sensível. Ele é muito ordenado, super engraçado, adora fazer piadas, zombar de si mesmo", completou.

Lasso encarnou a mensagem de renovação, paradoxalmente, diante de um rival muito mais jovem. O presidente eleito é favorável aos acordos de livre-comércio e afirmou que o país integrará a Aliança do Pacífico (Colômbia, Chile, México e Peru).

De uma família de classe média, ele é o mais novo de 11 irmãos e ganhou fama como banqueiro, chegando à presidência do Banco de Guayaquil, um dos maiores do país e do qual permanece como um dos principais acionistas.

Ele se afastou das atividades bancárias em 2012, quando fundou o movimento Criando Oportunidades (CREO), que na época tinha o apoio da direita. Seu passado como executivo de banco é atacado pelos opositores.

Lasso é casado com María de Lourdes Alcívar, tem cinco filhos — incluindo um banqueiro e um que desistiu de ser padre quando estava no seminário — e espera o nascimento do oitavo neto em junho.

* Com informações da AFP

Internacional