PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
5 meses

10 anos após morte de Bin Laden, Al Qaeda diz que guerra contra EUA seguirá

Osama bin Laden em imagem divulgada pelo Pentágono em 7 de maio de 2011 - Pentágono/Divulgação/Reuters
Osama bin Laden em imagem divulgada pelo Pentágono em 7 de maio de 2011 Imagem: Pentágono/Divulgação/Reuters

Do UOL, em São Paulo

30/04/2021 12h48

No próximo domingo, 2 de maio, completam-se 10 anos da morte de Osama Bin Laden, líde da Al-Qaeda, responsável, entre outros, pelos ataques às Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001, matando quase 3.000 pessoas, em Nova York.

Enquanto o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anuncia a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão até setembro deste ano, dois integrantes da Al Qaeda afirmaram à rede CNN que a "guerra contra os Estados Unidos continuará em outras frentes, a menos que o grupo seja expulso de outros países islâmicos".

"Graças aos afegãos que nos protegeram, muitas dessas frentes jihadistas operam com sucesso em diferentes partes do mundo islâmico há muito tempo", disse o porta-voz do grupo ao responder a entrevista da CNN.

A guerra no Afeganistão, parte da campanha de "guerra contra o terror", iniciada na gestão de George W. Bush para combater o terrorismo, começou há 20 anos, em 2001, depois dos ataques do 11 de setembro.

Desde sua morte, o islamismo ultrarradical sofreu mutações. A Al Qaeda perdeu sua posição como a principal potência jihadista do mundo, em benefício do grupo Estado Islâmico (EI). Em vez de unir forças, as duas organizações travam uma guerra ideológica e militar implacável.

Saída das tropas

A data para o início do processo já havia sido acordada com o Taleban pelo governo de Donald Trump, derrotado nas urnas por Biden em 2020. Segundo o atual presidente, a retirada das tropas será feita sem pressa, de forma "segura" e "coordenada".

"Não vamos nos precipitar com a saída. Vamos fazer isso de forma responsável, deliberada e segura. Vamos fazer isso em plena coordenação com nossos aliados, que agora têm mais tropas no Afeganistão que nós. Que o Taleban saiba que, se nos atacarem enquanto retiramos as tropas, nós vamos nos defender e defender nossos aliados com todas as ferramentas que tivermos", afirmou Biden ao anunciar a retirada dos soldados.

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, disse que falou com Biden antes de seu discurso e falou em parceria com os EUA. "A República Islâmica do Afeganistão respeita a decisão dos EUA e trabalharemos com nossos parceiros americanos para garantir uma transição tranquila", disse Ghani, em post no Twitter.

Errata: o texto foi atualizado
A matéria informava o ano errado do ataques às Torres Gêmeas, que ocorreu em 11 de setembro de 2001. A matéria foi corrigida.

Internacional