PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

EUA comemoram 4 de julho sem atingir meta de 70% de vacinados contra covid

4;jul.2021 - Primeira-dama Jill Biden fala durante celebração anual de independência dos EUA, na Filadélfia, Pensilvânia - Hannah Beier/Reuters
4;jul.2021 - Primeira-dama Jill Biden fala durante celebração anual de independência dos EUA, na Filadélfia, Pensilvânia Imagem: Hannah Beier/Reuters

Carolina Marins

Do UOL, em São Paulo*

04/07/2021 15h04

Os Estados Unidos comemoram hoje o seu 245º aniversário de independência do Reino Unido, mas sem atingir a ambiciosa meta do presidente Joe Biden de vacinar 70% dos americanos contra a covid-19 até o dia de hoje. Ainda assim, os dados da pandemia no país apontam melhoras desde a chegada do democrata ao poder.

Em maio, Biden estabeleceu duas metas para o feriado de hoje: administrar pelo menos uma dose em 70% dos adultos nos Estados Unidos e vacinar totalmente 160 milhões de americanos adultos. Um passo que ele chamou de "independência da covid-19".

Porém, de acordo com o monitoramento feito pelo jornal americano The New York Times, o país tem até o momento 67% dos americanos com mais de 18 anos vacinados com ao menos uma dose dos imunizantes. Além disso, um pouco menos de 157 milhões de americanos receberam as doses completas, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Ainda assim, o país é o segundo no mundo em termos absolutos de pessoas imunizadas —atrás apenas da China que disparou nos últimos dias em aplicação— e o 13º em termos proporcionais de pessoas totalmente imunizadas.

Já em meados de junho a administração Biden sinalizava que poderia não alcançar a meta. "Achamos que levará algumas semanas extras para chegar a 70% de todos os adultos com pelo menos uma injeção com os de 18 a 26 anos de idade", disse o conselheiro da Casa Branca sobre a covid-19, Jeff Zients.

O presidente teve sucesso em suas promessas anteriores. Como quando prometeu atingir 100 milhões de vacinados em 100 dias de governo, alcançando em 58. Novamente, a Casa Branca dobrou a meta para 200 milhões e alcançou em 92 dias de governo.

No entanto, o ritmo de vacinação no país caiu nas últimas semanas, segundo dados do CDC (Centro de Controle de Doenças, na sigla em inglês). A grande preocupação com a queda nesse ritmo é a circulação da variante Delta do coronavírus que tem provocado pequenos surtos de casos nos EUA.

"Estou preocupado que as pessoas que não foram vacinadas tenham a capacidade de pegar a variante e espalhar para outras pessoas que não foram vacinadas", disse Biden na sexta-feira. "Não pense apenas em si mesmo. Pense na sua família."

Casa Branca serve hambúrgueres

Depois de passar o feriado comprando tortas de cereja em Michigan antes de passar uma noite tranquila na casa de sua família em Delaware, Biden está retorna à Casa Branca para receber cerca de mil pessoas para hambúrgueres e fogos de artifício.

É uma dose de nostalgia para um país cansado das restrições e dificuldades geradas pela pandemia do coronavírus, fardos que diminuíram, mas não desapareceram, com a ampla disponibilidade de vacinas.

A pandemia forçou o cancelamento de quase todas as comemorações no ano passado e levou a um evento mais contido de posse do presidente democrata em janeiro. Biden ficou sem as tradicionais festas de gala e a recepção bipartidária enquanto o ex-presidente republicano Donald Trump contestava sua derrota eleitoral.

Sinais de normalidade voltaram aos Estados Unidos, onde as pessoas viajavam e se reuniam sem máscaras.

"Neste domingo, celebraremos nossa independência como nação, bem como nosso progresso contra o vírus", disse Biden a um grupo de professores na sexta-feira. "Nos próximos dias, temos a chance de fazer outro começo."

*Com Reuters

Internacional