PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Cidade africana com 26 milhões de habitantes corre risco de ficar submersa

Cidade de Lagos, na Nigéria, sofre com enchentes e com o nível do mar - Reprodução/Twitter
Cidade de Lagos, na Nigéria, sofre com enchentes e com o nível do mar Imagem: Reprodução/Twitter

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/08/2021 14h18Atualizada em 02/08/2021 14h18

Cerca de 26 milhões de habitantes de Lagos, na Nigéria, devem se preocupar com o destino da cidade africana, que pode ficar submersa, segundo um especialista, até o final do século 21 devido às enchentes e o aumento expressivo do nível do mar.

Os habitantes da cidade, uma das mais populosas do continente, lidam com um estado de atenção há anos, mas foi neste mês de julho que a cidade viveu a sua pior fase em decorrência do excedente de água. Segundo a CNN Internacional, as chuvas torrenciais deixaram carros e casas submersos. Já passageiros de ônibus ficaram com água até os joelhos mesmo dentro dos veículos.

"Foi muito ruim. Saí de casa sem saber que tinha chovido tanto. Havia trânsito intenso no meu trajeto por causa da enchente. Quanto mais seguíamos, mais alto era o nível da água. A água continuava subindo até cobrir o para-choque do meu carro", conta o nigeriano Eselebor Oseluonamhen, de 32 anos, à CNN.

Imagens publicadas nas redes sociais provam o drama dos moradores da região. Um vídeo com imagens aéreas mostra o sumiço das ruas entre prédios e comércios, totalmente cobertas por água. Os prejuízos causados pelas cheias na cidade foram calculados em R$ 20 milhões anuais.

O problema, segundo um usuário do Twitter que vive no local, é decorrente de uma falha no sistema de drenagem. "Por mais que a mudança climática tenha um papel na elevação do nível do mar, o que você pode ver neste vídeo é predominantemente um problema do sistema de drenagem", disse o homem.

O Instituto de Estudos de Desenvolvimento concorda com o usuário da rede social, e ainda atribui a questão ao crescimento populacional relâmpago. "Sistemas de drenagem inadequados e mal mantidos e crescimento urbano descontrolado agravam o problema", explicou um porta-voz ao site norte-americano.

Alternativa

Um projeto ousado da Eko Atlantic quer construir uma nova cidade em meio ao caos de Lagos. A ideia é levantar um muro de 8 km de comprimento ao redor de uma área cercada pelo Oceano Atlântico, de modo a proteger a ilha das ameaças do nível do mar.

De acordo com o grupo de pesquisa Climate Central, áreas da cidade nigeriana podem afundar abaixo da linha da maré em apenas 30 anos se o nível do mar continuar a subir.

"Como resultado da poluição das atividades humanas que retém o calor, o aumento do nível do mar pode, dentro de três décadas, aumentar as inundações crônicas mais do que a terra que atualmente abriga 300 milhões de pessoas", diz o estudo, que prevê o aumento dos níveis globais do mar em até 3 metros até 2100.

Solução

O ambientalista nigeriano Seyifunmi Adebote acredita que Lagos precisará se adaptar às mudanças climáticas para resistir ao possível sumiço.

"Precisamos olhar para as nossas infraestruturas — sistemas de drenagem, instalações de questão de resíduos e estruturas habitacionais. Quão resilientes e adaptáveis são estas infraestruturas diante das pressões ambientais e quando colocadas lado a lado com a nossa população em crescimento?", questiona.

Desde que receberam os alertas sobre a situação, autoridades de Lagos iniciaram uma limpeza dos canais de água para reduzir as inundações. O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, também mostrou disposição para combater a crise climática e estrutural de Lagos com a ajuda dos Estados Unidos.

"Esperamos trabalhar com o presidente [Joe] Biden e a vice-presidente [Kamala] Harris. Temos grande esperança e otimismo para o fortalecimento das relações cordiais existentes, trabalhando juntos para combater o terrorismo global, as mudanças climáticas, a pobreza e melhorar os laços econômicos e comércio", disse Buhari.

As enchentes em Lagos deixaram 158 mortos em 2019 e 69 este ano, sendo que o período de maior precipitação acontece apenas em setembro.

Internacional