PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Cobras venenosas estão maiores e mais fortes na Austrália, e isso assusta

Cobras estão invadindo as casas na Austrália - Reprodução/Facebook Australian Snake Catchers
Cobras estão invadindo as casas na Austrália Imagem: Reprodução/Facebook Australian Snake Catchers

Colaboração para o UOL

13/10/2021 23h55Atualizada em 14/10/2021 09h03

Um grupo de caçadores australianos está espantado com o tamanho de cobras venenosas encontradas nas residências em Nova Gales do Sul, estado na costa leste da Austrália. De acordo com o Australian Snake Catchers, elas estão se escondendo em jardins, lixeiras e garagens, além de lenhas, blocos de concreto e entulho.

Os apanhadores afirmam que já removeram dezenas de serpentes de dentro das casas e que este é apenas o começo da "temporada das cobras".

Ao telejornal australiano 9news, Sean Cade, líder do grupo, disse que capturou uma réptil marrom "extragrande" - de aproximadamente 2 metros - em uma casa no oeste de Sidney, no início de outubro.

Desde então, eles pegaram mais de uma dúzia de serpentes marrons orientais, consideradas são "mortais", e mais de 25 cobras vermelhas. "Elas são maiores do que a média e muito mais saudáveis", contou Sean.

O especialista explicou que a temporada começa em meados de setembro e vai até março, coincidindo com o verão da Austrália. Mas, de acordo com ele, houve aceleração este ano por conta da praga dos ratos, que atormentou grande parte do leste e do sul do país no primeiro semestre.

Especialistas dizem que roedores estão reproduzindo em altas taxas e destruindo colheitas na Austrália. O tabloide britânico The Sun conta que fazendeiros foram forçados a incendiar suas colheitas, e que as instruções no campo eram amarrar cordas nas calças para evitar que eles subissem em suas pernas.

O especialista em ratos Steve Henry, da Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth, explicou que os roedores são excelentes alimentos para os répteis. "Veremos cobras mais saudáveis, mas não necessariamente mais delas". Ainda não se sabe se haverá uma segunda onda da praga dos ratos.

Internacional