PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Estudante de química salva a família ao notar detalhe nas joias da família

Cor escura de colar de prata chamou a atenção de Lucy - Reprodução/ Oxfordshire Live
Cor escura de colar de prata chamou a atenção de Lucy Imagem: Reprodução/ Oxfordshire Live

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/10/2021 14h00Atualizada em 30/10/2021 14h54

Uma estudante de 22 anos salvou os pais de um envenenamento químico após perceber que suas joias de prata estavam ficando pretas. A cor dos objetos revelou que um gás altamente tóxico estava sendo exalado no imóvel, o que fez com que a família fosse levada às pressas para o hospital e o imóvel precisasse ser interditado.

Julia e David Toman e a filha Lucy vivem em Helmdon, na Inglaterra. Segundo o Oxfordshire Live a família havia notado um cheiro estranho na casa que já durava dois dias. O odor, segundo Julia, seria semelhante ao de ovo podre ou algum animal morto.

A família acreditou que o cheiro poderia estar vindo dos ralos e até chamou uma empresa de controle de pragas para vistoriar o imóvel.

"Limpamos todos os ralos para ter certeza de que não estavam entupidos e até mandamos verificar a caixa de óleo. Sabíamos que o cheiro era mais forte na garagem", explicou Julia.

No entanto, a limpeza não resolveu a situação.

A origem do cheiro estranho só foi descoberta no outro dia, quando Julia chegou da faculdade e ao mexer em suas joias notou que algumas delas, de prata, estavam escuras e manchadas.

A jovem, que é estudante de química, lembrou que o sulfeto de hidrogênio tinha cheiro parecido com o de ovo podre e deixava as joias de prata daquela cor devido à oxidação.

O site do governo afirma que "os efeitos [da inalação de sulfeto de hidrogênio] variam de leves dores de cabeça ou irritação nos olhos, a muito graves, como quadros de inconsciência e até a morte".

Devido à gravidade da situação a família chamou o Corpo de Bombeiros e o imóvel foi isolado. Ainda não se sabe como o gás começou a se espalhar pela casa ou sua procedência. Casos como esse costumam acontecer por problemas no esgoto ou no tratamento de água.

"Sabíamos que o gás poderia ser tóxico e chamamos o corpo de bombeiros. Eles ficaram aqui cerca de sete horas. Havia quatro carros de bombeiros e uma ambulância para verificar nossos níveis de oxigênio no sangue e fazer exames", explicou a matriarca.

Apesar de a família ter sido exposta à substância altamente tóxica por 48 horas, os exames de sangue apontaram que eles não haviam sido intoxicados. No entanto, eles não puderam voltar para casa até que os profissionais eliminassem todos os vestígios do gás.

A família afirmou ainda que decidiu compartilhar a história para alertar outras famílias sobre o perigo desse gás.

Internacional