PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Erupção de vulcão deixa 34 mortos e rastro de destruição na ilha de Java

O vulcão Semeru, com 3.676 metros, entrou em erupção diversas vezes nas últimas décadas, mas poucas tão destrutivas como agora - REUTERS/Willy Kurniawan
O vulcão Semeru, com 3.676 metros, entrou em erupção diversas vezes nas últimas décadas, mas poucas tão destrutivas como agora Imagem: REUTERS/Willy Kurniawan

Do UOL, em São Paulo*

07/12/2021 08h26Atualizada em 07/12/2021 09h24

O balanço da erupção destrutiva do vulcão Semeru, leste da ilha de Java, subiu hoje de 22 para 34 mortos, anunciou o porta-voz da agência de gestão de catástrofes, Abdul Muhari.

"O balanço atualizado registra 34 mortes e 17 pessoas desaparecidas", afirmou o porta-voz a respeito da erupção de sábado, que cobriu a região de cinzas e destruiu mais de 10 localidades. Mais de 3.500 moradores foram retirados da região.

Milhares de casas e edifícios foram afetados, incluindo 24 escolas, de acordo com os dados provisórios do Centro de Assistência Humanitária para a Gestão de Desastres (AHA Centre) da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

A maior montanha de Java lançou uma enorme coluna de cinzas no sábado e expeliu rios de lava que inundaram os vilarejos próximos.

Ruas foram tomadas por cinzas e lama, que cobriram caminhões e casas até o telhado. As equipes de resgate trabalham em condições difíceis para procurar sobreviventes e corpos, em meio a escombros, lama e cinzas. Cães farejadores e equipamentos de busca foram enviados à região para ajudar nos esforços.

O vulcão mantém uma atividade intermitente, com várias erupções todos os dias, mas de menor magnitude desde o fim de semana.

As autoridades pediram aos moradores que não se aproximem a menos de cinco quilômetros da cratera, pois o ar saturado de cinzas e poeira é perigoso para as pessoas vulneráveis.

O presidente indonésio, Joko Widodo, prometeu que o governo ajudará as pessoas que não podem retornar para casa devido ao risco de erupção.

"Espero que, quando as coisas se acalmarem, consigamos recuperar a infraestrutura e pensar na possibilidade de retirar as casas de áreas consideradas perigosas", disse, antes de citar 2.000 residências.

O Semeru, com 3.676 metros, entrou em erupção diversas vezes nas últimas décadas, mas poucas tão destrutivas.

A Indonésia fica no chamado Círculo de Fogo do Pacífico, onde o encontro de placas tectônicas provoca uma grande atividade sísmica. O arquipélago do sudeste asiático tem quase 130 vulcões ativos.

*Com informações da AFP

Internacional