PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Dono de zoológico na Ucrânia anuncia que deve sacrificar 6 mil animais

Animais em cativeiro no Feldman Ecopark em Kharkiv, na Ucrânia (Arquivo) - Kharkovinfo/reprodução
Animais em cativeiro no Feldman Ecopark em Kharkiv, na Ucrânia (Arquivo) Imagem: Kharkovinfo/reprodução

Do UOL, em São Paulo

05/04/2022 18h49

Um zoológico em Kharkiv, na Ucrânia, deve sacrificar todos os 6.810 animais que habitam o local atualmente. Apesar de boa parte dos bichos ter sobrevivido, a estrutura dos viveiros do Feldman Ecopark, em Kharkiv, ficou comprometida após um dos bombardeios russos deixá-los sem condições de funcionamento. A guerra entre a Rússia e a Ucrânia já dura mais de um mês.

O anúncio foi feito em um vídeo pelo dono do zoológico, Oleksandr Feldman, que afirmou que o local foi dizimado e não há alternativa a não ser colocar todos os animais "para dormir", já que não há planos de evacuação e transferência dos animais para fora do país, segundo o jornal britânico Dailystar. Segundo ele, não há mais Ecopark depois do bombardeio mais recente.

"Posso dizer que o parque foi quase completamente destruído", disse. Feldman também relatou que as gaiolas de animais foram destruídas, porém, milagrosamente, muitas criaturas, como leões e tigres, sobreviveram mesmo com os lares destruídos. "Gaiolas de animais foram destruídas, toda a infraestrutura foi destruída, mas tigres e leões sobreviveram milagrosamente", completou.

O empresário contou que o lugar onde ficam os ursos está em condições precárias e as opções são "matá-los, mantê-los dopados ou movê-los". Ele disse que não havia lugar para onde eles pudessem levar as criaturas e esperava salvar algumas delas, como alguns dos felinos mais jovens - mas o local se encontra sem comida, medicamentos ou viveiros apropriados.

O zoológico é o mais antigo do gênero na Ucrânia, tendo sido inaugurado em 1895 no coração da cidade, próximo ao Parque Shevchenko, e é tido como fundamental no papel de conservação, contando também com 22 hectares.

Internacional