PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Jovem é preso nos EUA suspeito de matar a mãe brasileira

Adriana Ohlson, de 48 anos, era natural do Recife; caso aconteceu na madrugada de 8 de abril - Reprodução/Redes sociais
Adriana Ohlson, de 48 anos, era natural do Recife; caso aconteceu na madrugada de 8 de abril Imagem: Reprodução/Redes sociais

Do UOL, em São Paulo

30/04/2022 12h26Atualizada em 30/04/2022 22h53

A brasileira Adriana Ohlson, 48, morreu após ser baleada pelo próprio filho, David Allan Ohlson, na cidade de Pensacola, Flórida, nos Estados Unidos, segundo a polícia. O caso aconteceu no início do mês, e o jovem de 18 anos está preso desde então. Na sexta-feira (29), ele se declarou inocente das acusações de homicídio, e sua advogada entrou com uma petição para exigir um julgamento com júri.

Segundo publicado pelo Pensacola News Journal, Ohlson admitiu à polícia que atirou e matou sua mãe por volta da 1h do dia 8 de abril. O caso aconteceu na casa em que ambos moravam, em Bellview. Em depoimento, ele também disse que "de todas as pessoas em que planejava atirar, não esperava que sua mãe fosse uma delas".

David Aaron Ohlson, 43, pai de David, foi quem ligou para a polícia naquele dia para relatar o ocorrido, ainda de acordo com a mídia local. Na ocasião, ele confirmou que seu filho havia atirado em Adriana, sua mulher, mas disse que o disparo foi "acidental".

Quando os policiais chegaram à casa em Bellview, encontraram a brasileira no chão da sala de estar, com um ferimento à bala no abdômen. Ela foi levada ao hospital, mas morreu durante cirurgia.

Aaron contou à polícia que estava morando na casa de parentes, já que ele e Adriana haviam se separado três semanas antes do ocorrido. Ele afirmou ter recebido uma ligação da mulher por volta de 0h30 —portanto, meia hora antes do suposto crime—, dizendo que o filho estava agindo de forma "estranha" e mencionando uma arma.

Aaron, então, dirigiu até a casa em Bellview. No meio do caminho, Adriana lhe telefonou de novo, desta vez para dizer que "as coisas haviam se acalmado", segundo disse o pai de David à polícia.

Ele também relatou que, quando chegou ao local, viu Adriana em pé na sala de estar, além de David. O filho estava sentado de pernas cruzadas no chão. Foi aí que o jovem levantou a arma, apontando primeiro para o pai, depois para a mãe. De acordo com Aaron, o tiro foi disparado logo em seguida.

"O pai pegou a arma e a guardou dentro de sua caminhonete, do lado de fora da casa, voltou e ligou para a polícia", escreveu a polícia no relatório. "O pai disse que David Allan Ohlson tem alguns problemas psicológicos, mas que não sabe exatamente quais seriam esses problemas".

Segundo a última movimentação no processo, a Procuradoria-Geral do Estado da Flórida acredita que David Ohlson matou sua mãe, mas não de forma "premeditada". Os procuradores também entraram com um pedido para que David "apresente evidências de qualquer álibi" em sua defesa. A data do próximo julgamento ainda não foi definida.

O funeral de Adriana aconteceu em 22 de abril, segundo postagens de Aaron no Facebook reproduzidas pelo Pensacola News Journal. A maior parte da cerimônia foi feita em inglês e português.

Amigos e familiares contaram que ela era natural do Recife, onde ainda tinha muitos parentes. Em 26 de dezembro do ano passado, ela e Aaron haviam comemorado 20 anos de casados.

Internacional