Senado aprova entrada da Bolívia no Mercosul; Lula tem que ratificar adesão

O plenário do Senado aprovou hoje, em votação simbólica, o protocolo de adesão para a entrada da Bolívia no Mercosul. A inclusão segue para ratificação do presidente Lula (PT).

O que aconteceu

Foram contrários à entrada apenas os senadores Eduardo Girão (Novo-CE) e Cleitinho (PL-MG). A adesão deve ser oficializada até a próxima cúpula da entidade, que ocorre em 7 e 8 de dezembro, no Rio de Janeiro, informou o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Firmado em 2015, o acordo de adesão da Bolívia precisava ser aprovado pelos Parlamentos de todos os países membros — Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Só faltava a decisão do Brasil.

Atualmente, a Bolívia é um estado associado ao Mercosul, como o Chile, Colômbia, Equador e Peru. Quando o processo de entrada for concluído, a Bolívia deve adotar o acordo normativo vigente do Mercosul em até quatro anos a partir da data de entrada no bloco.

Durante o mesmo período, o país deve adotar a Nomenclatura Comum do Mercosul, a Tarifa Externa Comum e o Regime de Origem do Mercosul. O Senado ainda aprovou a criação de um grupo de trabalho para acompanhar a situação política e social do país.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes