Topo

Cientistas consideram extintas três espécies de aves nativas do Brasil

Caburé-de-pernambuco foi considerado extinto, após anos sem registros no país - Conservation International/Divulgação
Caburé-de-pernambuco foi considerado extinto, após anos sem registros no país Imagem: Conservation International/Divulgação

Em Brasília

26/08/2014 16h20

Três espécies de aves nativas do Brasil foram consideradas extintas depois de vários anos sem registros em nenhum lugar do país, informaram na segunda-feira (25) fontes científicas.

As três espécies são o caburé-de-pernambuco (Glaucidium mooreorum), o gritador-do-nordeste (Cichlocolaptes mazarbarnetti) e o limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi), que tinham como habitat a Mata Atlântica da região nordeste do país.

De acordo com estudos realizados pela Universidade de São Paulo (USP), com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, não existem registros dessas três aves nos últimos anos, o que faz com que elas possam ser consideradas extintas.

No caso do caburé-de-pernambuco, uma pequena espécie de coruja, o último registro oficial que existe é um "canto gravado em 1990", segundo a nota divulgada hoje pelas instituições responsáveis pela pesquisa.

As outras duas aves também não foram avistadas nos últimos dez anos e, por isso, presume-se que estão extintas, disse o cientista Luis Fábio Silveira, da USP.

Entre as possíveis causas do desaparecimento dessas espécies, Silveira citou a degradação do meio ambiente na Mata Atlântica, que possui atualmente apenas 12% de seu tamanho original.

Segundo Silveira, nas áreas do nordeste onde viviam essas três aves houve grande desenvolvimento de indústrias de cana-de-açúcar e outras que elevaram os níveis de poluição e devastaram parte da vegetação, o que põe em perigo outras espécies nativas da região.

"Uma das saídas para evitar a extinção de outras espécies é proteger o que resta da Mata Atlântica através da criação de novas áreas protegidas e corredores ecológicos" que garantam sua sobrevivência, afirmou o cientista

Mais Meio Ambiente