PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Diretor do Inpe diz que vai deixar instituto após confrontos com Bolsonaro

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão - Rodolfo Moreira /Futura Press
O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão Imagem: Rodolfo Moreira /Futura Press

Do UOL, em São Paulo

02/08/2019 12h13Atualizada em 02/08/2019 13h16

Diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão anunciou hoje que, por determinação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, ao qual o Inpe está subordinado, irá deixar o comando do instituto. A exoneração foi anunciada dias após uma série de confrontos do diretor com o presidente Jair Bolsonaro. A demissão deve ser publicada no Diário Oficial nos próximos dias.

A jornalistas, Galvão afirmou que as críticas que fez a Bolsonaro haviam causado "constrangimentos" no governo e por isso ele seria exonerado pelo ministro Marcos Pontes, que comanda a pasta. Procurado pelo UOL, ele não quiser comentar a saída e disse que o ministro Marcos Pontes pediu que ele não se manifestasse hoje, após a reunião que tiveram.

O diretor também afirmou que já sugeriu um nome ao ministro para assumir o instituto, sem revelar qual, e que sua exoneração não irá "respingar" nos trabalhos da organização. A diretoria do Inpe é normalmente escolhida pelo ministro da Ciência, a partir de uma listra tríplice.

Há 15 dias o presidente questiona o instituto, que divulgou aumento de 88% no desmatamento em junho, quando comparado a maio deste ano. Ontem, Bolsonaro organizou uma apresentação técnica para apresentar argumentos pelos quais considera incorretos dados sobre desmatamento. Também chegou a ameaçar que demitiria o diretor, por quebra de confiança.

O instituto é responsável há mais de 30 anos por mapear áreas desmatadas do país --independentemente se a remoção da vegetação é legal ou ilegal-- e não fiscalizar, função que fica a cargo do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Em resposta à apresentação de Bolsonaro, o Inpe respondeu ontem em nota que "sempre foi norteado pelos princípios de excelência, transparência e honestidade científica".

Em ocasião anterior, o próprio Ricardo Galvão defendeu o Inpe, dizendo que "poderia ser demitido", mas que os dado apresentados pelo instituto eram "cientificamente sólidos".

Procurado pelo UOL, o Inpe afirmou que "não irá se manifestar agora" sobre o tema. O Palácio do Planalto também foi procurado, mas ainda não se pronunciou.

Meio Ambiente