Topo

Marinha informa que já retirou 900 toneladas de óleo em praias no Nordeste

Manchas de óleo no litoral norte de Alagoas - Ana Leal/Fotográfico/Estadão Conteúdo
Manchas de óleo no litoral norte de Alagoas Imagem: Ana Leal/Fotográfico/Estadão Conteúdo

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

21/10/2019 18h18

A Marinha do Brasil informou hoje que 900 toneladas de resíduos de óleo de origem ainda desconhecida foram retiradas das praias do Nordeste. As manchas começaram a surgir no dia 30 de agosto, na Paraíba, e desde 2 de setembro o governo monitora o litoral da região. Até o momento, uma área de 2.250 km de costa foi atingida pelo material.

Participam da ação de recolhimento do material das praias militares da Marinha, agentes do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis), do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), da Petrobras e de Estados e municípios, além de voluntários.

Além da retirada de manchas de óleo na areia, a Marinha tem atuado com embarcações no mar para evitar que o material chegue até a costa.

Hoje, o navio-balizador "Comandante Manhães" recolheu resíduos de óleo na região de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Ontem, o navio-patrulha "Guaíba" recolheu óleo nas proximidades da Praia do Paiva, também no litoral pernambucano.

200 praias contaminadas

Balanço de ontem do Ibama aponta que 200 praias já haviam sido contaminadas por manchas de óleo na região. O número de municípios não foi informado, mas até a sexta eram 72 as cidades atingidas.

Segundo a Marinha, não foram avistadas manchas ao sul de Salvador, o que sugere que o óleo vazado encontra seu limite ao sul na capital baiana. Entretanto, não é possível ter certeza, já que se trata de um evento inédito em duração e extensão, além de não se conhecer ainda o local de vazamento dos resíduos.

Meio Ambiente