PUBLICIDADE
Topo

Em entrevista à TV, Collor afirma que errou com o Congresso quando foi presidente

Do UOL Notícias

Em São Paulo

11/01/2011 22h50

"Um presidente tem que se aproximar do Congresso, e eu errei neste ponto", assim definiu os anos no poder o ex-presidente do país e senador, Fernando Collor de Mello em entrevista a GloboNews, na série "Profissão: ex-presidente", veiculada na noite desta terça-feira (11). "Essa falta de aproximação com o Congresso foi o ponto para que o golpe parlamentar pudesse ser efetivado", relembra, se referindo ao impeachment que sofreu.

O episódio de que guarda a mais triste lembrança foi o momento em que deixou o Palácio do Planalto. "Foi como se o mundo tivesse desabado nas minhas costas. Foi uma dor lancinante, pego o helicóptero, peço um sobrevoo ao comandante em uma obra para ver como se encontrava, ele informa que não podia, já que não tinha combustível. Foi aí que realmente caiu a ficha. Não tem volta. Neste momento, estava somente afastado da presidência enquanto transcorria o julgamento do processo, continuava presidente afastado temporariamente. Quando o piloto disse isso, tinha certeza de que não voltaria", conta Collor.

Por outro lado, o melhor momento para o ex-presidente foi o dia da posse.

"Não imaginava voltar à política. Foi a mão do destino", disse. Quanto a tentar ser presidente da República novamente, Collor ressalta que de forma consciente não pensa nisso.

A emissora vai veicular entrevistas com todos os presidentes da República de redemocratização, nesta segunda Sarney falou à emissora, os próximos serão Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso.

Vida política

Collor iniciou sua carreira política como prefeito nomeado de Maceió em 1979 e, três anos depois, foi eleito deputado federal pelo PDS. Em 1986, ganhou a eleição para governar Alagoas pelo PMDB. Candidatou-se à Presidência da República em 1989 pelo PRN e derrotou Lula, do PT, no segundo turno das primeiras eleições diretas para presidente do Brasil. Assumiu o cargo adotando medidas econômicas drásticas e impopulares, como o bloqueio dos saldos das contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas.

A gestão de Collor foi marcada por uma série de escândalos e suspeitas de corrupção. As denúncias ganharam força em abril de 1992, quando Pedro Collor, irmão do presidente, revelou a existência do "esquema PC" de tráfico de influência e irregularidades financeiras, organizado por Paulo César Faria ex-tesoureiro da campanha.

Em 2 de outubro de 1992, foi afastado temporariamente da presidência da República, em decorrência da abertura do processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Renunciou ao cargo de presidente em 29 de dezembro o mesmo ano -horas antes de ser condenado pelo Senado por crime de responsabilidade. Teve seus direitos políticos cassados, tornando-se inelegível por oito anos. Em seu lugar, assumiu o então vice-presidente, Itamar Franco.

Collor tentou concorrer à prefeitura de São Paulo nas eleições de 2000. Foi impedido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). De volta à vida política, disputou, nas eleições de 2002, o governo de Alagoas, mas foi derrotado pelo então governador, Ronaldo Lessa (PSB).

Quatro anos mais tarde, no entanto, elegeu-se como senador pelo Estado, conquistando um mandato de oito anos. Em 4 de março de 2009, tornou-se presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal. Em 2010, concorreu ao governo de Alagoas, mas ficou em terceiro lugar.

Política