Corpo de Itamar Franco chega a Juiz de Fora (MG), onde será velado

Do UOL Notícias

Em São Paulo

O corpo do ex-presidente Itamar Franco, morto no sábado (02), saiu por volta de 7h30 deste domingo (3) do hospital Israelita Albert Einstein em direção ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Ele deixou a capital paulista, em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) rumo a Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde acontecerá o velório na Câmara Municipal da cidade. 

O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, vai participar do velório em Juiz de Fora. Ele viaja ainda na manhã de hoje para Minas Gerais acompanhado pelo presidente do PT, Rui Falcão, pela senadora Marta Suplicy (PT-SP) e pelo líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP).

O governado de Minas Gerais, Antônio Anastasia (PSDB), e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) já estão em Juiz de Fora. Desembarcaram também agora pela manhã as duas filhas de Itamar Franco e assessores e os senadores que integram a comitiva do presidente do Senado, José Sarney (PMDB), e o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB).

Na segunda-feira ele será transladado para Belo Horizonte, onde receberá honras fúnebres como ex-governador de Minas Gerais, no Palácio da Liberdade. Em seguida, o corpo de Itamar será cremado em cerimônia reservada à família.  

O senador e ex-presidente Itamar Franco (PPS-MG) morreu por volta de 10h de sábado no Hospital Israelita Albert Einstein onde estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tratamento de leucemia.

Desde o dia 21 de maio, o ex-presidente estava internado para tratamento da doença. Seu estado de saúde piorou na sexta (01), quando passou a respirar com a ajuda de aparelhos. A morte aconteceu em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC) seguido de coma.

Homenagens
A presidente Dilma Rousseff decretou luto oficial de sete dias pela morte de Itamar Franco e confirmou que participará do velório em Juiz de Fora.

Segundo fontes da Presidência da República, Dilma Rousseff telefonou para Henrique Hargreaves, ex-ministro da Casa Civil de Itamar e um dos melhores amigos do senador, oferecendo o Palácio do Planalto para que a família velasse o corpo do ex-presidente. Porém, Hargreaves informou que Itamar havia instruído a família para que seu corpo fosse velado em Juiz de Fora e cremado em Belo Horizonte.

Relembre a trajetória política de Itamar Franco em fotos


“O Itamar sempre dizia que quando morresse não era para ficar com o corpo dele rodando pelo país. Era para mandar direto para o Juiz de Fora”, disse Hargreaves.

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), organizou uma comitiva de parlamentares para acompanhar as cerimônias de despedida em Minas Gerais. A comitiva deve sair de Brasília na manhã deste domingo.

Trajetória
Itamar Franco nasceu no dia 28 de junho de 1930 a bordo de um navio de cabotagem que fazia a rota Salvador/Rio de Janeiro. Filho do engenheiro Augusto César Stiebler Franco e de Itália América Liria Cautiero Franco, seu registro civil foi feito na capital baiana. O ex-presidente não chegou a conhecer o pai, que nasceu em Juiz de Fora (MG) e morreu em abril de 1930, vítima de malária. Ele havia sido contratado pelo governo baiano para trabalhar em obras de saneamento, construção de pontes e estradas no Recôncavo Baiano.

 

Itamar Franco passou a infância na terra natal do pai, onde iniciou seus estudos. Graduou-se como engenheiro civil e eletrotécnico, em 1954, na Escola de Engenharia de Juiz de Fora. Entre 1952 e 53, foi presidente do Diretório Acadêmico de Faculdade de Engenharia da universidade.

Ingressou na política pelo PTB (Partido Trabalhista Brasileiro). Com a introdução do bipartidarismo, filiou-se ao MDB (Movimento Democrático Brasileiro), sendo eleito prefeito de Juiz de Fora em 1966, onde criou sua base política. Itamar governou o município até o ano de 1974. Em seguida, elegeu-se senador por Minas Gerais, por dois mandatos, de 1975 a 1988. Em 1986, disputou o governo de Minas Gerais, mas perdeu para Newton Cardoso.

Presidência
Após o fim do mandato de senador, Itamar Franco torna-se candidato a vice-presidente da República na chapa encabeçada por Fernando Collor de Mello, em 1989. Com 35 milhões de votos e um discurso em favor dos "descamisados", Collor assume o poder no país em 1990, pelo nanico PRN, ao derrotar Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo analistas, Itamar fora considerado "peça decorativa" pelo recém-eleito presidente, que viu nele "um puxador" de votos de Minas Gerais.

O governo Collor foi marcado por escândalos que abreviaram a passagem dele pelo Planalto. Seu irmão Pedro Collor foi o estopim de uma grande crise ao denunciá-lo como chefe de um esquema de corrupção sem precedentes no país. Com a juventude em polvorosa, fazendo protestos com as caras pintadas, o então presidente começou a definhar em sua popularidade.

Ao cabo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Congresso, Collor foi considerado passível de acusação em prevaricação, defesa de interesses privados no governo, corrupção passiva, formação de quadrilha e estelionato. É aberto na Câmara um processo de impeachment contra o presidente.

Itamar Franco assume a presidência no dia 2 de outubro de 1992 e vê, em seguida, Collor renunciar ao cargo no curso do processo de impeachment, em dezembro daquele ano. A gestão de Itamar foi marcada pelo lançamento do plano Real, em março de 1994, que interrompeu o ciclo inflacionário no país. O plano Real serviu como plataforma para que o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, fosse cacifado como forte candidato à sucessão de Itamar, como de fato ocorreu.

Outra marca do governo Itamar Franco foi o relançamento do Fusca, carro do qual ele dizia ser admirador. A Volkswagen, impelida por incentivos tributários dados pelo governo federal, voltou a produzir o automóvel no país. Na cerimônia de relançamento, Itamar desfilou em um modelo conversível, em 1993, na fábrica da Autolatina (associação entre a Volkswagen e a Ford, desfeita em 1995).

Em 1998, tentou se candidatar novamente à presidência da República, mas foi preterido dentro do PMDB, que optou por apoiar a reeleição de Fernando Henrique Cardoso.

Governador de Minas Gerais
Após deixar a Presidência da República, Itamar Franco tornou-se embaixador do Brasil em Portugal e, posteriormente, ocupou o mesmo posto na OEA (Organização dos Estados Americanos), em Washington (EUA).

Franco retornou ao país para disputar o governo de Minas Gerais, em 1998. Eleito, governou o Estado de 1999 a 2002.

Em 2006, tentou uma vaga para disputar o Senado pelo PMDB, mas foi novamente preterido pelo partido, que escolheu Newton Cardoso.

A convite de Aécio Neves (PSDB), então governador de Minas Gerais, Itamar presidiu o Conselho de Administração do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) no período de 2007 a 2010. No ano passado, juntamente com Aécio Neves, o ex-presidente elegeu-se senador por Minas Gerais.

* Com informações da Agência Brasil

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos