Conteúdo publicado há 1 mês

Neta de ministro nazista publica foto com Eduardo Bolsonaro: 'Amigo'

A deputada alemã de extrema direita Beatrix von Storch publicou uma série de fotos, nesta terça-feira (30), no Instagram, ao lado do deputado federal brasileiro Eduardo Bolsonaro (PL).

O que aconteceu

Ela é neta de Johann Ludwig Schwerin von Krosigk, ministro das Finanças da ditadura nazista de Adolf Hitler por mais de 12 anos. Beatrix também é vice-líder do AfD, sigla de extrema direita, na Câmara alemã.

Beatrix von Storch chama Eduardo de "amigo". "Um amigo visitando a Câmara alemã. Eduardo Bolsonaro, nós, patriotas, defendemos juntos a democracia, a liberdade e o Estado de Direito".

O deputado brasileiro agradeceu. "Obrigado por todo o seu grande apoio à causa da democracia e da liberdade de expressão no Brasil. Deus abençoe você e Sven [marido da extremista]".

Eduardo Bolsonaro também fez uma publicação no Instagram com fotos ao lado da deputada e do marido dela. O deputado não cita o avô de Beatriz e escreve que "os tempos estranhos atuais no Brasil lembram o incêndio do Congresso alemão em 1933, que foi a desculpa usada por Hitler para perseguir seus opositores".

Em uma das fotos, Eduardo aparece ao lado de Sven segurando um vinho que leva o nome da família Bolsonaro.

Beatrix von Storch

Em julho de 2021, o então presidente Jair Bolsonaro também posou para uma foto ao lado de Beatrix von Storch. Em mensagem publicada nas redes sociais, a parlamentar agradeceu a Bolsonaro "pela amistosa recepção" e disse ter ficado impressionada com a "clara compreensão dos problemas da Europa e dos desafios políticos do nosso tempo" que ele mostrou.

Continua após a publicidade

O passado nazista da família de Beatrix passou a ser destacado pela imprensa alemã a partir de 2014, quando ela foi eleita deputada europeia pela AfD. Três anos depois, em 2017, ela foi eleita para o Bundestag (Parlamento alemão), representando Berlim.

Em 2016, ela manifestou aprovação a uma mensagem no Facebook que havia perguntado se guardas deveriam atirar em refugiados, inclusive mulheres com crianças.

Em 2018, ela voltou a causar controvérsia ao reclamar de tuítes da Polícia de Colônia que desejavam feliz ano novo em várias línguas, inclusive o árabe. "Eles pretendem apaziguar as hordas de homens bárbaros, muçulmanos e estupradores em massa dessa maneira?", escreveu. A rede social apagou a mensagem por violação das regras.

Dentro da AfD, a deputada costuma ser apontada como membro da ala "cristã ultraconservadora". Em 2014, quando os ultradireitistas tomaram o partido, ela afirmou que via a sigla como um veículo para "uma visão cristã da humanidade".


Quem foi o avô da deputada extremista

Como ministro das Finanças, Schwerin von Krosigk foi responsável por confiscar propriedades de judeus e explorar áreas conquistadas pela Alemanha nazista.

Continua após a publicidade

Após o suicídio de Hitler, em abril de 1945, ele foi ainda alçado ao posto de "ministro-chefe" (equivalente a chanceler). Schwerin assumiu o posto no efêmero governo do almirante Karl Dönitz, que havia assumido o cargo de presidente do que restava da Alemanha. O gabinete durou apenas alguns dias, e logo seus membros foram capturados por tropas britânicas.

Von Krosigk seria mais tarde julgado e condenado pelo Tribunal de Nuremberg, na etapa conhecida como o "julgamento dos ministros", entre 1948 e 1949. Ele foi sentenciado a dez anos de prisão por crimes de guerra, mas foi beneficiado por uma anistia em 1951. Em 1977, morreu.

*Com informações do DW

Deixe seu comentário

Só para assinantes